Arduino: O que é? Pra que serve? Quais as possibilidades?

Uma plataforma — muitas possibilidades

Arduino é uma das coisas que as pessoas mal sabem o que é, mas já curtem pacas!

Arduino é parte de um (presente) futuro de possibilidades.

O site da plataforma o define da seguinte forma:

“O Arduino é uma plataforma de prototipagem eletrônica open-source que se baseia em hardware e software flexíveis e fáceis de usar. É destinado a artistas, designers, hobbistas e qualquer pessoa interessada em criar objetos ou ambientes interativos. O Arduino pode sentir o estado do ambiente que o cerca por meio da recepção de sinais de sensores e pode interagir com os seus arredores, controlando luzes, motores e outros atuadores. O microcontrolador na placa é programado com a linguagem de programação Arduino, baseada na linguagem Wiring, e o ambiente de desenvolvimento Arduino, baseado no ambiente Processing. Os projetos desenvolvidos com o Arduino podem ser autônomos ou podem comunicar-se com um computador para a realização da tarefa, com uso de software específico (ex: Flash, Processing, MaxMSP).”

Abaixo um exemplo de Arduino, o UNO R3!

A tecnologia criada em 2005 pelo italiano Massimo Banzi, junto a outros colaboradores, nasceu com o objetivo de ser um facilitador no ensino de eletrônica para estudantes de design e artistas.

Palavras chave: “facilitador no ensino”

A plataforma já nasceu com o objetivo de ser de baixo custo, porque os estudantes precisavam conseguir desenvolver seus protótipos gastando o mínimo possível. Sabe como é que é, né?

“Outro ponto interessante do projeto, foi a proposta de criar uma plataforma de código aberto, disponível para a comunidade o que ajudou em muito no seu desenvolvimento.” — Fabio Souza em ‘Arduino — Primeiros passos’

Depois de fazer muito barulho com a venda de mais de 50 mil placas open source, em 2010 foi lançado um documentário sobre a origem do projeto (abaixo), a partir do qual podemos ter uma ideia sobre a trajetória de desenvolvimento da placa e do que a comunidade em torno desse projeto é capaz de fazer…

Quais as possibilidades?

Se conectarmos dispositivos de entrada, algum hardware, motores, sensores, displays, antenas ou algo assim ao Arduino as possibilidades podem ser infinitas.

“Com um Arduino, tags e leitor RFID, é possível criar uma pequena Jukebox usando materiais baratos e acessíveis” — Via Experimentoria
“Suas aplicações são as mais diversas, de diversão passando pela arte, automação residencial e até ajuda a outras pessoas. Por exemplo, o Arduino já foi utilizado para criar uma chopeira controlada por um iPad onde era possível acompanhar o fluxo da bebida e obter informações sobre os diferentes tipos de chopp. Além disso a placa também servia para informar a temperatura e descobrir quem bebeu mais. Já outra equipe criou uma luva sensível ao tato que ajuda cegos a “enxergar” obstáculos no caminho. Na mesma linha, outro usuário criou uma jaqueta utilizando a versão LilyPad (desenhada para construir projetos vestíveis) do Arduino que informa quando um ciclista irá trocar de faixa através de leds colocados nas costas da jaqueta.” — Manoel Lemos, via ‘Fazedores’
Jaquetas com sinalização

O site Hacknmood listou 40 projetos incríveis que usaram Arduino, provando que essa é uma ferramenta que muito ajuda quem tem criatividade. Vale citar o projeto que, além de regar as plantinhas, também mede a umidade do solo…

Falando em regar plantinhas.

Você pode fazer cubos de LED que geram imagens tridimensionais, detectores de batidas secretas afinal segurança nunca é demais, tênis que amarram o cadarço pra você, tipo “De volta para o futuro 2” mesmo, aliás o protótipo rolou tão bem que virou produto e foi aberto a comercialização

Enfim, você pode fazer coisas!

Cubo de LED com Arduino

Caso queira ler mais sobre aplicações e como conectar o mobiliário residencial às novas necessidades criadas pela tecnologia, veja o texto do Julio Fontes.

Tecnologia acessível >> Movimento maker

Tendo uma placa Arduino, o segundo passo pra começar a trabalhar com ela é fazer o download do ambiente de desenvolvimento no computador e conectá-lo a placa através de um cabo USB.

Tecnologia acessível, o Arduino, bem como a impressão 3D, já é importante não apenas para testes e ‘criações caseiras’.

“Muita gente sabe que os criadores do Pebble — aquele relógio que bateu 10 milhões de dólares em sua campanha de crowdfunding — não conseguiram um 2ª rodada de financiamento, por isso recorreram a comunidade (Kickstarter) para conseguir investimento. O que poucos sabem, é que eles usaram Arduino para fazer seu protótipo.” — ricardo cavallini, via ‘Makers’

Caso queira entender melhor o cenário de hardware, sobre a origem da maioria dos eletrônicos do mundo e como startups estão buscando diferenciação através do hardware, assista esse documentário ‘Shenzhen: o Vale do Silício do hardware na China’.

Para o movimento maker, essas ferramentas multiplicam as possibilidades.

Gente comprometida com processos experimentais e criativos que usam o compartilhamento de ideias, tecnologias e ferramentas para fortalecer uma cultura de inovação em que pessoas comuns podem criar, consertar e modificar o que quiserem.

A americana Simone Giertz modificou um despertador comum usando um Arduino para acordar NO TAPA.

E, como em várias áreas, a presença das mulheres tem vindo numa crescente, na tecnologia a tendência se mantem. A Gedeane Kenshima é uma dessas mulheres que manjam de tecnologia, movimento maker, Arduino e etc, aliás, ela fez uma apresentação que mostra um pouco dos desafios, conquistas e nomes pra prestarmos atenção.

A melhor maneira de aprender é fazendo!

Falando em Gedeane, dia 24/09, em São Paulo, ela traz junto com o Coletividad, um workshop “do it yourself” para você experimentar e conhecer o Arduino mais de perto.

A atividade será no Volt Coworking, com apoio da GBK Robotics e FilipeFlop.

Um teaser do espaço, que tem capacidade para 60 pessoas!

O workshop apresentará a plataforma e explicará sobre a placa Arduino, instalação de hardware e software, primeiros passos com LEDs, botões e sensores.

O objetivo será conhecer a plataforma Arduino e realizar seus primeiros experimentos para que você possa por em prática projetos envolvendo eletrônica e programação. Notícia boa? Sim. O material está totalmente incluso na inscrição e, ao final do workshop, você pode levar pra casa!

E, como vimos, com isso é possível controlar LEDs, motores, eletrodomésticos, comunicar-se com computadores, smartphones, carros, dentre muitas outras possibilidades! Os campos de atuação para o controle de sistemas são imensos, podendo ter aplicações na área de impressão 3D, robótica, design, engenharia, musical etc.

Se inscreva agora:


Bora praticar?

Afinal, um amigo aí que manja das Ciência da Computação (Jan L. A. van de Snepscheut, não Schweppes), já dizia: “Na teoria, não há diferença entre teoria e prática. Mas na prática, tem.” — E como tem.


❤ Gostou do conteúdo? Compartilha aí ;)

Esse texto é parte da Nossa Coletividad, uma publicação sobre Design, Inovação, Branding, Empreendedorismo, Ciência e Tecnologia, que junto da Plataforma e dos nossos Eventos, compõe o Coletividad.

Você quer escrever com a gente?