Eu quero dar um curso —conhecimento merece ser espalhado!

Educação, Inclusão e Oportunidades

Oi,

Eu quero produzir seus cursos, eventos e atividades.

Procuro professores de:
Front-end; Design System; Design Sprint; Python; Node.js; React; Produto Digital; Pesquisa UX; User Experience Design; UI Mobile; Game Design; Design de Serviço; Métricas de UX; Storytelling; Gamificação; Marketing Digital & Crescimento; Ciência de Dados & Machine Learning; Scrum e Design Thinking.

Farei isso através do Coletividad, que já soma 7 anos de experiência criando, produzindo e dirigindo eventos internacionais, prêmios, maratonas, cursos, debates, encontros e workshops de Design e Tecnologia.

Workshop de Design Thinking, 2011 ( acima à esquerda) com Ricardo Ruffo, passando por eventos, conferências, maratonas, meetups, cursos, formações gratuitas, debates, visitas, e muito mais.

Nós produzimos cerca de 100 atividades presenciais por ano (cursos, formações, bootcamps, workshops, projetos, desafios, eventos e maratonas) em 22 espaços por São Paulo — todos a 5 minutos do metrô.

Além de, por ano, levar gratuitamente 800 estudantes em 75 empresas como Nubank, HP, Vivo, Movile, Nexo Jornal, F.Biz, FLAGCX, Tátil Design, Casa Rex, FutureBrand, R/GA (e muitas outras!) em 6 Estados do Brasil.

São 2400 pessoas em 2018 vendo, vivendo, fazendo, experimentando, ensinando, aprendendo Design, Tecnologia e Inovação.

O que você precisa

Propor:

  1. uma ideia de conteúdo mão na massa;
  2. o seu valor/hora;
  3. sua disponibilidade (dia da semana ou final de semana, horários, etc).

Incluir

ONG Recode

Entre 2016 e 2017 tivemos a chance de trabalhar com com a ONG Recode com uma proposta simples, inserir o máximo de jovens nossos cursos.

Uma ótima relação! Inclusive participamos da cerimônia de reconhecimento dos jovens, que aconteceu na Microsoft (foto abaixo).

“É sempre bom estar perto de quem nos faz bem, e vocês fizeram muito este ano por mim, pois tudo o que eu aprendi nos últimos tempos não se compara com o aprendizado que tive durante o ano inteiro! Fica aqui o meu muito obrigado.
A preocupação que vocês tiveram em nos formar no último ano, com todo o carinho que eu não esperava, não é algo que se encontra em qualquer lugar. Por isso mesmo é que quero poder até mesmo levar amigos comigo no decorrer deste ano, para que se formem e sejam pessoas práticas no dia a dia, porque com a estrutura que vocês oferecem, a pessoa só não aprende se ela realmente não quiser.” — Douglas Coelho

Outras ONGs

Em 2018 estamos tentando expandir essa parceria com outras ONGs para dar continuidade à mesma proposta. Agora considerando as visitas e outras oportunidades.

Mulheres

Nossa meta é que 10% dos cursos do ano sejam gratuitos e para minorias. Nas nossas atividades exclusivamente para mulheres, já somamos mais de 250 mulheres em atividades de front-end, javascript e python.

Na foto abaixo nosso workshop de Raspando Dados Públicos com Python para 46 mulheres, com o Fernando Masanori!

Raspando Dados Públicos usando Python com Fernando Masanori.

Acesso é importante

Esse é um print (logo abaixo) da nossa página de inscrição na Eventbrite: http://www.coletividad.eventbrite.com

Desde 2016 nós abrimos a ideia de permutas. Gente que participa dos cursos e pode oferecer ideias, fotografia, design, desenvolvimento, serviços, mentoria, etc como pagamento.

Para que mais gente participe e tenha oportunidade, não importa como.

Mais acesso, mais gente ensinando, mais gente aprendendo, mais ideias, mais crítica às ideias, e mais diversidade = impacto.

Simples.

“…cursos exigem um compromisso de tempo muito grande. Eu já fiz isso antes e não foi uma boa experiência. Hoje prefiro focar em palestras” Daniela P.

Insegurança, muito trabalho e incerteza sobre o sucesso do curso são as sensações sobre fazer isso sem ajuda. É isso que estamos tirando de você.

Por que a gente acredita que você — pessoa INCRÍVEL que cria, faz, se envolve e constrói coisas e projetos sensacionais — é a resposta para a carência de habilidades, ideias, crítica, conhecimentos nas áreas de Design, Tecnologia e Inovação.

Por isso a gente reúne quem quer ensinar com quem quer aprender.

Nós cuidamos de

Criamos verdadeiras experiências de aprendizagem, presenciais, sem enrolação e pensadas primeiro para as pessoas.

Reduzimos em até 87% o tempo de preparação e organização do seu evento/curso e cuidamos de tudo para garantir que mais coisas legais aconteçam para as pessoas — com 93% de chance de sucesso.

Reduzimos o seu trabalho. Você foca no conteúdo ❤

Carla De Bona!
“Cara, eles organizam tudo de logística e infra e eu só foco no conteúdo, nem preciso me preocupar com essas coisas mais chatas que são importantes para um evento.” — Carla De Bona
Gedeane Kenshima (no centro)
“Primeiramente, agradeço a oportunidade de estar com vocês, sendo facilitadora deste workshop. Fiquei muito feliz com o antes, durante e depois. Vocês realmente facilitaram a minha vida ao ponto de apenas me preocupar com o conteúdo ministrado e para mim, que participo de eventos de grande porte, você são a melhor Produção que já encontrei e tive notícia. Bem, minha empolgação com o trabalho foi tão grande, que passei a tarde no trabalho pensando em workshops futuros.” — Gedeane Kenshima

Educação

Prática, Autonomia e Colaboração. O que é a educação do Coletividad?

Usar o que a ciência para que as pessoas aprendam mais e melhor.

“As respostas estão nos livros, estão na internet. A missão do professor é provocar a inteligência, é provocar o espanto, é provocar a curiosidade” — Rubem Alves

Desde um simples jogo de tabuleiro, pequenas situações cotidianas ou até enfrentar os desafios de um negócio próprio, toda experiência que você agrega se torna repertório para a construção de seu aprendizado e sua futura vivência.

As pessoas — facilitadores, alunos, etc — são capazes de alcançar níveis mais elevados de aprendizado, pensamento crítico e reter mais informação quando eles trabalham em conjunto, ao invés de sozinhos (Gokhale, 1995), ensinam material a um colega (Topping e Stewart, 1998) e participam do processo através de discussões, prática e revisões (Grunert, 1997).

Fazer é o melhor tipo de pensar.

As pessoas chegam com as suas próprias noções, preconceitos e experiências anteriores sobre as coisas, armazenadas na memória de longo prazo.

Elas usam essas memórias para interpretar o mundo — o que inclui novos assuntos e conceitos. O problema é que muitas vezes esses preconceitos são equivocados.

A prática é excelente para contrastar expectativa e realidade.

E o seu papel como quem facilita esse processo é o quanto antes tornar aparente essas noções, referências e preconceitos aparentes através de aprendizado intenso.

Você deve, através de projetos ou problemas, incentivar a descoberta, o experimento, o erro. E através do erro, ou acerto, ajudar a entender por que ele ocorreu, como e quando ele ocorreu para que haja a oportunidade de corrigir equívocos, reconstruir conhecimentos prévios e crie esquemas de compreensão em torno de um tópico e melhores práticas.

O aprendizado ocorre com maior eficiência quando os conceitos se conectam com interesses e objetivos pessoais de cada um.

Isso faz com que as pessoas tenham atenção e tentem prever os resultados, explicando as ideias para si próprios, observando e aprendendo com as falhas, ativando o conhecimento anterior.

Direcionar a própria aprendizagem é importante e mais eficiente, ao permitir que a pessoa busque sozinha o que ela pode buscar sozinha. Seja no caminho, uso ou através de referências, internet, vídeos, materiais ou nos colegas.

A pessoa deve interagir ativamente, completar desafios e etapas durante a atividade, usando o que foi aprendido.

É importante variar as perspectivas, vendo tópicos paralelos e complementares, tornando o aprendizado mais rico.

A empatia é importante e você deve deixar a pessoa à vontade para aprender.

Entre as pessoas — professor/facilitador/instrutor e aluno — a empatia representa segurança psicológica, aspecto fundamental para o conforto e fundamental para a experiência de aprendizagem e assimilação da pessoa.

Aprender não deve ser uma ação passiva, centralizada e pontual.

Seu papel não é dar respostas ou tentar explicar tudo, mas facilitar o processo de descoberta. Todo mundo tem algo a ensinar e você deve induzir a interação e colaboração entre as pessoas, o diálogo, a discordância, o trabalho em grupo, aprendendo enquanto se faz, sempre de prontidão para orientar individualmente quando necessário.

E agora?

Agora você já sabe que Coletividad é sobre oportunidades e experiências de aprendizagem.

E caso você tem uma ideia de atividade, vem aqui e preenche o formulário (abaixo):