Vamos entender UX?

Como colocar em prática, usar e aprender no dia a dia.

Daniela Castro
Coletividad
Published in
8 min readJun 2, 2016

--

Vamos falar desse tal de User eXperience.

Assim como muitas profissões ‘filhas da tecnologia’, o UX é uma carreira extremamente recente, que tem impactado a maneira como as pessoas constroem e comercializam seus produtos e serviços. Por quê? Porque a responsabilidade do profissional de UX é colocar o usuário ali no centro da atenção de todo projeto, a todo o tempo!

Escreva sobre UX, Design e Tecnologia.

Promova o seu episódio de Podcast. Divulgue o seu Evento, Escola ou Curso. Cadastre-se como Mentor(a), Facilitador(a), Palestrante. Liste o seu Coworking ou Espaço gratuitamente.

O Paradoxo do UX Designer

Pensemos: o usuário nem sempre (quase nunca) sabe o que realmente precisa. O que ele quer não é necessariamente o que ele precisa, como diria nosso amigo Ford:

Cavalos e carros à parte, não limite-se a oferecer valor somente no seu produto ou serviço final. A experiência é o que vai fazer o usuário escolher entre o seu produto ou o do concorrente. Lembra daquela última ligação que você fez para resolver um problema com sua operadora de celular… então, como foi?

A experiência em si vai além disso. Ela não é um artefato pontual, é um conjunto de recursos e ações que otimizam a relação do usuário com seu produto!

Embaixo do guarda-chuva do UX estão profissionais como Pesquisadores, Analistas de Negócios, Designers Visuais e de Interação, Desenvolvedores, Arquitetos da Informação, Estrategista de Conteúdo e mais…

(Experiência do Usuário é empenho em equipe)

Ainda está difícil de pegar o espírito da coisa?

Pedi para a Carla De Bona nos tirar algumas dúvidas:

Daniela: Você já aplicava essa prática de focar no usuário antes da explosão do UX? Como foi seu início na área?

Carla: Sou designer por formação, desde o meu primeiro estágio (há 13 anos, vixi!), sempre trabalhei com design pra web. O UX surgiu com uma necessidade e também amadurecimento profissional. Há uns 10 anos, lá no início da minha carreira, eu tentava resolver os problemas da interface, através do visual em si, mas óbvio que eu já percebia que não dava conta, aí uma coisa me levou pra outra, fui estudar arquitetura de informação, usabilidade, HCI, até chegar no UX que me dava uma visão mais ampla e colocava as coisas em contexto. Então, eu sempre tive o interesse, mas não tinha o nome bonito (UX) e nasceu dessa percepção de que por mais que eu ficasse trabalhando no refinamento do pixel da tela, não era suficiente.

Daniela: Precisa ter estudado design para trabalhar com UX? Quais áreas mais se relacionam com UX?

Carla: Não precisa não, o mais legal de UX é que você pode vir de várias áreas (e é bom que seja assim). Experiência é subjetiva, quanto mais pessoas diferentes, com mindsets diferentes, estiverem trabalhando juntas melhor para tentar dar conta da experiência do usuário e errar menos quando estivermos projetando produtos (sejam eles digitais ou não). Cada dia que passa, a crença de que UX não deveria nem ser nome de cargo de alguém, e sim um esforço conjunto do time, fica mais forte para mim. Então, o foco das pessoas, do meu ponto de vista, deveria ser ajudar a construir a cultura de UX no dentro do seu time de trabalho, para projetar produtos melhores para seus usuários.

Alguns (dos vários) títulos que profissionais de UX recebem

Daniela: UX está necessariamente associado à tecnologia?

Carla: Não, a gente tem experiência (boas e ruins) desde que as pessoas começaram a usar objetos. Pensa comigo, ao longo do dia a gente tem diversas experiências com produtos, somos “usuários” de cadeiras, do carro, do controle remoto, do notebook, do talher, da caneca e por aí vai… Normalmente quando a experiência é ruim a gente reclama, se ela for boa era o mínimo que a gente esperava e se for excelente a gente recomenda para os amigos porque a gente quer que as pessoas que a gente gosta tenham experiências boas como a gente teve. Você já recomendou ou deixou de recomendar algum produto/objeto por causa da sua experiência com aquele produto/objeto, certo? Tá aí o peso de UX e essa explosão toda, o melhor jeito de você vender alguma coisa pra alguém é um amigo dessa pessoa fazer a recomendação, mas esse amigo só recomenda (e coloca a reputação dele na reta) se ele tiver uma experiência boa com aquilo.

O UX tem muita força na área de tecnologia pois as interfaces digitais estão dominando cada vez mais as nossas rotinas e com o IOT ganhando mercado a tendência é aumentar ainda mais. Além disso, temos um mercado altamente competitivo (todo mundo quer ser o novo uber e o novo airbnb), se você fornece interfaces ruins e seu usuário não tem uma boa experiência nelas, ele deixa de utilizá-lo e vai para próxima interface que ele achar que seja mais inteligente e de fácil uso. O diferencial do produto digital está justamente na capacidade de você prover uma excelente experiência pro seu usuário, por isso UX tem tanto peso e é, muitas vezes, associado à tecnologia.

Daniela: Quais cases de sucesso você pode apresentar para que eu assimile o conceito de UX de forma simples?

Carla: Esses dois TEDs aqui são excelentes: Como o Airbnb cria confiança por meio do design e Como os sites gigantes são desenhados para você (e para bilhões de outras pessoas também)

Daniela: O que deixa um usuário satisfeito para você?

Carla: Que a promessa de experiência seja efetivamente cumprida. Um exemplo pessoal: baixei o app do meu plano de saúde, a promessa era que eu conseguiria agendar consultas por ele (sem falar com ninguém), só por meio da minha capacidade de clicar em itens e escolher! Magia né? Eu baixei o app com essa promessa em mente, eu queria ter essa experiência e receber a mensagem “Realizado com sucesso!“. Quando eu fui lá agendar minha consulta, não deu certo :( Quando selecionava a data, ele me dizia que era uma data inválida, nesse momento eu já tava insatisfeita, se é inválida porque a data aparece pra mim? Mas como usuária teimosa (like a taurina) eu testei todas as datas disponíveis e todas elas eram inválidas. Tive que ligar para o 0800 e estava muito insatisfeita com aquela situação, porque eu depositei um voto de confiança em uma promessa e ela não foi entregue. Então, se você quer usuários satisfeitos, entregue aquilo que você promete, se você entregar mais coisas, melhor a experiência, mas se você entregar menos do que você prometeu você terá usuários tristes e insatisfeitos (xingando muito no twitter).

Daniela: Quais profissionais de UX podemos acompanhar? Saber mais sobre seus respectivos trabalhos…

Carla: A lista do Julio das 42 pessoas de UX é um sucesso viu! Mas pra inserir mais dois na lista: Alan Klement e a Jill DaSilva

Como e onde estudar sobre UX?

Cada dia está mais complicado encontrar um emprego e saber exatamente o que estudar. De um lado, o mercado te exige dominar uma variedade de habilidades diferentes para ingressar em uma carreia.

Do outro lado, o sistema educacional não consegue acompanhar esta demanda e ensinar metodologias e habilidades extremamente atuais e altamente requisitadas, como UX.

User Experience não é algo que você consegue aprender sem a prática, mas felizmente você pode aprender sem um diploma. Como diz um expert em UX:

“Se você é alguém que está sempre aprendendo, em outras palavras, se está prestando atenção, você será capaz de pegar antigas experiências e aplicar as lições aprendidas com elas à sua nova situação. Isso é mais importante para mim do que habilidades específicas que você pode aprender na escola.”

Então, como podemos aprender UX por conta própria?

1. Envolva-se na comunidade e encontre um mentor

Ter um mentor experiente na área que você deseja ingressar talvez seja a melhor maneira de aprender sobre ela (não importa a área).

Além disso, procure entregar valor para a comunidade e estabelecer relações genuínas. Ensinar e contribuir é a melhor forma de aprender.

Veja esse texto do Lucas Coelho, algumas pessoas bem bacanas para procurar e quem sabe aprender alguma coisa.

Sugestões de Comunidades e Grupos para buscar ajuda:

2. Busque experiências para aprender

Aprenda fazendo! Comece a produzir e buscar pequenos desafios para ir treinando suas habilidades. Elabore um portfólio e vá adicionando seus projetos mais bacanas — quanto mais treinar, mais terá para expor… e mais oportunidades se abrirão!

Encontre projetos que você possa ajudar, vídeos do youtube para melhorar suas técnicas, replique e aprimore projetos que admira, acompanhe tutoriais… treine e melhore sempre :)

3. Tenha certeza que você tem os recursos que precisa

Você pode começar pelo básico, assistindo um vídeo falando mais sobre UX ou em um workshop. Aprenda sobre as diversas ferramentas de UX, de wireframes a como construir seu portfólio.

Blogs e Revistas, Cursos Online Gratuitos, Livros. Você pode encontrar vários recursos aqui, nesse post do Lucas:

4. Feche o pacote completo e seja mentor de alguém!

Profissionais de UX são pessoas que aprendem para sempre, pois sempre existirão novas maneiras de servir melhor o seu usuário. E ensinar é uma ótima maneira de aprender. Aproxime-se das novas gerações que buscam aprender a área e crie relações onde os dois lados sairão ganhando!

--

--

Daniela Castro
Coletividad

Product Designer & Educator | Lead Instructor at Ironhack Paris