5 razões para não parcelar compras com cartão de crédito

Basta um pequeno descontrole para que as parcelas virem uma bola de neve — e esse é apenas um dos riscos de pagar a prazo. Conheça outros a seguir.

Você fica de olho em um produto na vitrine, mas logo vê que ele não cabe no orçamento do mês. Neste momento, há três alternativas: deixar a vontade de lado e seguir a vida, juntar dinheiro e voltar à loja no mês seguinte ou dividir a compra no cartão e espremer as parcelas no seu já apertado orçamento. Se você é do terceiro time — e ainda faz contas mentais para justificar a escolha –, cuidado!

“O parcelamento é uma ferramenta importante para comprar bens duráveis e de valor maior do que seu salário, como uma geladeira ou um carro, mas não para satisfazer desejos de consumo”, diz Oyvind Oanes, CEO da Numbrs, aplicativo europeu especializado em gestão financeira pessoal. Para te convencer de vez, reunimos cinco motivos para você passar longe das compras parceladas no cartão de crédito.

1) O risco de comprar por impulso é alto

Lembra da situação hipotética do começo desse texto? Ela ilustra bem como o parcelamento é um perigo nas mãos de quem não resiste a uma comprinha. E se você não conseguir bancar essa compra, a situação piora. Um exemplo: se você contrai uma dívida de R$ 200 no cartão de crédito e deixa de pagá-la por um ano, o valor salta para surpreendentes R$ 845,97, com taxas de juros de 322,98% ao ano!* Ou seja, em apenas um ano você estará devendo um valor mais do que quatro vezes maior do que a dívida inicial.

O cartão de crédito não pode ser uma extensão do salário, e parcelar compras não pode ser uma solução para satisfazer um desejo de consumo. Ao pagar à vista, você perceberá o impacto real daquele gasto em seu bolso e pensará duas vezes antes de abrir a carteira.

2) E o de perder o controle também

De grão em grão, sua fatura pode ficar tão grande que pagá-la se tornará um desafio. É comum que, ao fazer uma compra parcelada, você se esqueça que já tem outras parcelas penduradas no cartão. Quando essa “comprinha” se junta às demais, o resultado pode ser um incêndio difícil de ser apagado — e aí não há contas mentais que salvem.

3) Não há parcelamento sem juros

A verdade é dura, mas precisa ser dita: não existe compra parcelada sem juros. Comerciantes e lojistas embutem a taxa no valor da compra, fazendo com que você pague até mais do que aquele produto ou serviço vale pelo simples fato de parcelar.

Se você quer mesmo aquele item, vale a pena considerar o chamado parcelamento invertido. Por exemplo, em vez de parcelar um item de R$ 2 mil em 10 vezes, você junta a grana necessária por 10 meses em uma aplicação indicada para curto prazo, como a poupança. Na hora da compra, diga que pagará à vista e negocie um desconto.

4) A fatura sempre virá alta

Pendurar parcelas no cartão de crédito pode complicar seu orçamento, visto que você já começará o mês tendo que arcar com uma fatura lá em cima. Ao pagar esse boleto, sua grana já estará comprometida e você corre o risco de não conseguir pagar as demais despesas do mês. A solução que encontra? Pendurar mais gastos no cartão de crédito. Assim, a fatura do mês seguinte virá ainda mais alta, em uma perigosa bola de neve.

5) Seu limite estará sempre comprometido

Não são as parcelas mas, sim, o valor total das compras parceladas que são contabilizados no limite — que, por sua vez, é liberado conforme você paga as parcelas. Assim, se você precisar fazer uma compra grande e importante, pode não ter limite disponível.

*Dados da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) referentes a março de 2018.