7 dicas para evitar os impulsos na hora das compras

Fazer compras pode até ser prazeroso, mas não conseguir controlar esse hábito pode ter um efeito terrível sobre a sua vida financeira. Quando uma pessoa compra com frequência itens que não precisa, não os usa ou, pior, extrapola sua capacidade de pagamento com as compras, essa situação se torna um problema.

Pensando na importância de um estilo consciente de consumo, veja abaixo 7 dicas para fugir dos impulsos na hora das compras e conquistar o seu equilíbrio financeiro.

1) Tire tempo para pensar antes de uma compra

Para muitas pessoas o processo de compra costuma ser quase emocional. Tentar racionalizá-lo, entretanto, é fundamental para evitar aquisições desnecessárias ou impulsivas. Uma dica fundamental para não se deixar levar pelo consumo é tirar um tempo para pensar antes da compra.

Sair da loja ou fechar o site por alguns minutos, horas ou mesmo dias pode ajudá-lo a identificar se realmente quer ou precisa daquele item. Nesse tempo, pergunte-se se já não tem algo parecido em casa, se realmente vai usar e se tem como para pagar pelo produto. Também pesquise preços em outros lugares. “Essa pausa é ótima para que você reflita sobre as suas prioridades financeiras e aquilo que realmente deseja ter”, explica Oyvind Oanes, CEO da Centralway Numbrs, aplicativo europeu especializado em gestão financeira pessoal.

2) Fique de olho no orçamento

Uma consequência clara do consumismo é a sobrecarga sobre a vida financeira. Para evitar gastar mais do que pode, uma dica é manter o orçamento organizado. Nesse sentido a regra dos 50/30/20 pode ajudar. Ela coloca que 50% do seu rendimento mensal deve ser destinado às despesas essenciais, 30% aos supérfluos (onde entrariam as compras) e 20% à poupança. Com essa organização em mãos ficará ainda mais fácil identificar o quanto você pode gastar — e quando seus gastos estão se tornando prejudiciais.

3) Crie metas financeiras

Outra ferramenta importante no combate ao consumismo são as metas financeiras. Com objetivos claros do que deseja conquistar financeiramente e um plano de ação de quanto precisa reservar mensalmente para atingi-los, será menos doloroso resistir ao prazer momentâneo de uma compra desnecessária.

4) Tome notas das compras impulsivas

Entender os seus hábitos de consumo é importante para tentar mudá-los. Por isso, tente anotar as suas principais despesas — principalmente aquelas que você sabe que fez sem pensar. Esse passo pode ajudá-lo a identificar (e quantificar) os seus principais pontos fracos na hora das compras. São as roupas? Eletrônicos? Livros? Com essa consciência, você poderá reforçar o controle sobre si mesmo.

5) Reflita sobre os seus hábitos de consumo

Muita gente costuma se sentir frustrada ou culpada depois de cair na tentação de fazer compras que não precisa. Outras, acabam tendo sensações negativas ao encarar sua situação financeira. Entender que o prazer momentâneo da aquisição não vale as consequências financeiras é muito importante para combater o consumismo.

6) Repense algumas formas de pagamento

Quanto mais fácil for comprar, mais fácil também será sucumbir aos impulsos. Por isso, se você tem dificuldade em controlar suas compras, pode ser interessante abandonar, mesmo que por um período determinado, formas de pagamento que agilizam o processo de compra.

“O cartão de crédito, por exemplo, é maravilhoso se você souber usá-lo, mas ele pode ser uma grande armadilha para quem é impulsivo”, afirma Oanes. Ele dá ao comprador a possibilidade postergar a parte difícil da compra, ou seja, o pagamento. Além disso, o rotativo do cartão de crédito conta com juros tão altos que são capazes de desestruturar a vida financeira de qualquer pessoa. Compras pela internet também podem acabar a intensificando o volume de gastos.

7) Se achar necessário, se afaste um pouco dos “atrativos”

Outra ferramenta que algumas pessoas usam para “fugir dos gastos” é se afastar das propagandas e chamarizes. Descadastrar-se de newsletters de marcas que gosta ou “descurtir” algumas páginas e perfis em redes sociais pode ajudá-lo a não cair na tentação de comprar com tanta frequência.