8 dicas para economizar na farmácia

Não importa o que aconteça na economia: quem precisa comprar remédios, mesmo se estiver apertado, dará um jeito — afinal, com saúde não se brinca. Ainda bem que existem algumas maneiras de economizar na farmácia, seja na compra de medicamentos ou produtos de higiene e beleza. A seguir, você confere 8 dicas extremamente simples de serem colocadas em prática para salvarem o bolso dos gastos com saúde.

1. Pesquise na internet

Do mesmo jeito que você faz com diversos produtos, também é possível comparar preços de remédios na internet. O que muda são os sites: o Clique Farma, Mais Preço e Consulta Remédios são os mais conhecidos. Eles funcionam de forma parecida ao Buscapé e BondFaro, ou seja, encontram a medicação e mostram o preço de acordo com a quantidade de comprimidos e miligramas do princípio ativo. Se o valor agradar, basta clicar para ser encaminhado ao site da drogaria”.

2. Opte pelos medicamentos genéricos

Apesar de muitas pessoas ainda desconfiarem, eles têm a composição exatamente igual aos dos chamados remédios de referência e devem ser, no mínimo, 35% mais baratos, de acordo com determinação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Na consulta, peça para o médico prescrever o remédio pelo princípio ativo — exceto nos casos em que ele não existe na versão genérica. Os preços variam de laboratório para laboratório, então, vale a pena compará-los entre si antes de comprar.

3. Entre nos programas de fidelidade de laboratórios

Quem toma medicamentos de uso contínuo pode aderir e conseguir até 70% de desconto. Para tanto, informe-se com o laboratório que produz o remédio e com seu médico para verificar se a medicação faz parte do programa de descontos. É possível encontrar produtos para tratar hipertensão, endometriose, contraceptivos, depressão, ansiedade, entre outros.

4. Aproveite os descontos de planos de saúde

Algumas drogarias fazem parcerias com planos de saúde para oferecer descontos atrativos. Antes de finalizar a compra, veja se o seu convênio faz parte e apresente a carteirinha no caixa. “O percentual pode variar de plano para plano, assim como de farmácia para farmácia, então vale a pena pesquisar e colocar na ponta do lápis”, comenta Oyvind Oanes, CEO da Centralway Numbrs, aplicativo europeu especializado em gestão financeira pessoal.

5. Cadastre-se nos programas de fidelidade das próprias farmácias

Algumas redes oferecem descontos em medicações e produtos de beleza e higiene para clientes cadastrados — basta preencher alguns dados e aproveitar. Veja nas unidades se elas oferecem esse benefício. A redução no preço não é cumulativa com a oferecida pelos planos de saúde, então, veja qual será mais vantajosa na boca do caixa.

6. Verifique as diferenças entre internet e lojas físicas

Geralmente, os preços na web costumam ser mais atrativos, mas a compra poderá incluir cobrança de frete. Por isso, se você tiver disponibilidade, dê uma passada na loja física e verifique o preço cheio e com os descontos citados acima. Assim, você verá onde vale mais a pena comprar e economizará uma boa quantia.

7. Considere o Programa Farmácia Popular

Quem sofre de hipertensão, diabetes ou asma pode conseguir os remédios para essas doenças gratuitamente nas farmácias credenciadas. Em outros casos, é possível conseguir medicações selecionadas com até 90% de desconto. O programa está disponível para todos os brasileiros, basta ir a uma farmácia credenciada, mostrar a receita — que não precisa ser de um médico do Sistema Único de Saúde (SUS) — e a carteira de identidade.

8. Produtos de beleza: invista nos “dois em um”

As farmácias são um ótimo lugar para comprar produtos de beleza por preços camaradas. Algumas fazem promoções juntando dois ou três produtos que, quando comprados em conjunto, acabam mais baratos. Isso pode ser vantajoso para quem sempre usa os mesmos produtos e sabe que eles não ficarão encalhados no banheiro. Também é uma boa ideia dividir o custo com alguém. Em geral, o preço compensa, mas pense se você realmente precisa daquilo para não cair em uma armadilha de consumismo.