Bitcoin - o que é e a sua evolução

A bitcoin é o nome da primeira moeda digital baseada numa rede de pagamento descentralizada, sustentada através de “Peer to Peer” (utilizador para utilizador), ou seja, é suportada pelos seus usuários, sem a existência de uma entidade central, o que permite a transferência de dinheiro entre qualquer pessoa a nível mundial sem a necessidade de um serviço centralizado, como um banco ou o “PayPal”.

Hugo Costa em efconsulting.pt

Cotação da bitcoin

Em maio de 2010, na Florida, Laszlo Hanyecz comprou duas pizzas avaliadas em cerca de 25 dólares, por 10000 bitcoins (BTC). Esta transação entrou para a história como sendo a primeira vez que a bitcoin foi utilizada para comprar algo, atribuindo-lhe o primeiro valor concreto: cerca de $0.0025 por BTC.

Desde aí, o valor da bitcoin já atravessou períodos de elevada volatilidade. O primeiro ocorreu em julho de 2010, quando avançou de $0.008 para $0.08, em apenas cinco dias. Em fevereiro de 2011, foi atingida pela primeira vez a paridade com o dólar (1$ = 1 BTC) e, em julho do mesmo ano, ocorreu o pico da primeira grande subida da bitcoin, acima dos $30. O movimento foi suportado pela crescente popularidade do Silk Road, um mercado negro online. Seguiu-se uma queda superior a 90%, até próximo de $2 em novembro de 2011.

Daí até ao início de 2013, houve uma fase de maior acalmia nos preços, com uma valorização gradual até $13. Contudo, 2013 revelou-se um dos anos mais agitados até hoje para a bitcoin, sendo a partir daqui que a sua negociação ganhou maior notoriedade. A moeda subiu até $266, registados em abril de 2013, num período em que a crise bancária no Chipre resultou em duas semanas com os bancos encerrados e os levantamentos limitados. A desconfiança no sistema bancário tornou mais atrativo deter uma moeda que não estivesse sob o controlo de nenhum Governo, não só no Chipre mas também a nível internacional. Esta é uma questão que, ainda hoje, se revela crucial para a valorização da bitcoin.

A subida não foi duradoura e, no espaço de poucos dias, os preços caíram de novo até $70. Contudo, no último trimestre de 2013 a bitcoin subiu como nunca antes e em novembro ultrapassou pela primeira vez a marca de $1000. Esta subida deveu-se ao aumento da popularidade da bitcoin na China, com a entrada no mercado de várias bolsas e novos utilizadores — até hoje, a China dita grande parte da ação ocorrida nos preços da moeda. A volatilidade foi significativa nos meses seguintes, com a bitcoin a oscilar entre $500 e $1000. Os preços iam sendo influenciados pelos rumores de má gestão e insegurança na bolsa japonesa Mt. Gox, que na altura era a mais utilizada a nível mundial. A insolvência e encerramento confirmaram-se em fevereiro de 2014, despoletando uma queda nos preços até à zona de $400, que se prolongou de forma gradual até ao início de 2015 — aí negociaram abaixo de $200. Até novembro do mesmo ano, os preços estabilizaram entre $200 e $300, mas iniciaram aí uma tendência de alta que prevaleceu até 2017.

Em 2016, o desempenho da bitcoin (+124%) superou o de todas as moedas convencionais, sendo vários os fatores que se podem destacar para justificar a sua valorização: a depreciação da moeda da China (yuan) e as medidas de controlo de capitais no país, o “Brexit”, a desmonetização na Índia (retirada de circulação das notas mais valiosas para reduzir o dinheiro sujo), a hiperinflação na Venezuela, assim como a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais norte-americanas. Estes eventos têm em comum o facto de serem potenciadores de instabilidade e incerteza, o que atrai o interesse quer das pessoas, quer de fundos de investimento e outros investidores institucionais, para ativos alternativos ou de “refúgio”.

A performance da bitcoin em 2016 foi também muito superior à do ouro (+8%), um ativo tido como “seguro” e com o qual a moeda é frequentemente comparada. Contudo, nos últimos dois anos a correlação entre os dois instrumentos foi negativa, o que não implica que a bitcoin não esteja a ser utilizada como ativo de “refúgio”. Na verdade, poderá sugerir que alguns participantes do mercado têm estado a substituir o ouro pela bitcoin como instrumento a deter em períodos de maior instabilidade.

Valorização em 2016: bitcoin e ouro

“Refúgio” ou não, a bitcoin tem contrariado todas as sentenças de “morte” que lhe foram dirigidas nos últimos anos, nomeadamente após cada queda sofrida. A sua resiliência tem sido notória e, no primeiro dia de 2017, voltou a superar os $1000, três anos depois da última vez.

Hoje, as duas pizzas que Laszlo Hanvecz adquiriu em 2010 valeriam 10 milhões de dólares.