Nota do Editor

Globalizado, rápido e dinâmico, esse é o nosso mundo. Mercadorias circulam por todo o globo em tempo recorde, o dinheiro ultrapassa as fronteiras — até mesmo a fronteira digital — de maneira cada vez mais simples. Indivíduos podem fazer o que na ficção de Jules Verne demorava 80 dias em uma semana e ainda com bastante conforto. Uma cultura universal está emergindo na internet, independente de etnia ou localização geográfica.

Apesar disso, existe um outro lado extremamente estático nesse contexto. A rotina de trabalho, apesar de ter como tendência geral a redução do tempo no escritório, ocupa cada vez mais espaço na mente do trabalhador. Ele à leva para casa mesmo sem querer. Com custos exorbitantes de moradia e trabalhos requerindo cada vez mais experiência, a opção mais segura é investir em apenas um local, uma carreira e uma experiência. A falta de tempo para reflexão e apreciação da própria existência leva à uma vida sem significado e sem razão.

O jornalismo sofre com essa tendência, tornando-se fútil, rápido e no entanto ineficiente em sua finalidade primordial: transmitir histórias. O jornalista perde sua capacidade de produzir qualidade, como visto nos recentes escândalos de notícias falsas espalhadas na internet.

Em meio a esta estagnação, existem alguns poucos indivíduos que decidiram sair do túnel da sociedade. São indivíduos altamente capazes, com conhecimentos amplos e vontade de aço. Estes indivíduos são os aventureiros. Viajam, experimentam diferentes carreiras, fogem ao ciclo trabalho-casa-trabalho, criam seus próprios empregos, unem ideias de diferentes áreas e nunca param de criar. E, por acaso, alguns destes indivíduos são jornalistas.

Esta é um jornal, no sentido de ser produto do trabalho de jornalistas, onde um aventureiro compartilha sua história, suas expedições e seus pensamentos. Com um toque de mistério, um pouco de nostalgia e bastante ousadia, este é O Aventureiro.

Em breve nas páginas de O Aventureiro você encontrará a aventura de um jornalista que, munido de um gravador, uma câmera e uma bicicleta, sai em buscas de histórias para serem contadas de maneira única e íntima.