Ela

Ontem eu senti vontade de falar com você, falei e então me senti totalmente bem, deitei a cabeça no travesseiro e lembrei o quanto era lindo ver teus cabelos tão ali de perto repousando no travesseiro ao lado, essa lembrança trouxe várias na bagagem exalando saudade, saudades do teu sorriso, da tua voz de meiga e até da voz fininha que fazia pra me dizer alguma coisa fora do contexto.

A forma que prende o cabelo após o banho, a forma que os abraços se encaixavam perfeitamente, as cócegas, os filmes que víamos ou melhor não víamos. O jeito que achávamos confortável deitar para jogar juntas, que o gosto do teu beijo é o melhor, que era divertido virar madrugadas comendo brigadeiro e fazendo o que é sigilo, dançar com você, cuidar, fazer suas vontades quando ficava doente e então fez eu recordar que tudo com você era melhor.

Por fim eu senti saudade de ser sua novamente, sabemos bem que não é porque a saudade bateu e sim porque existe algo ainda, nós não nos resolvemos, fomos forçadas a se distanciar, eu não queria ir embora, minha vontade foi sempre ficar.

As tardes de domingo se tornaram nulas com gosto de tanto faz, o quarto ficou menos harmonioso, cama vazia, tudo ficou vago porque nos ocultamos e então eu te desejei aqui ontem, te desejei por um ano em meus braços, a tua partida fez um estrago que com um tempo eu tentei concertar e procurar preencher com alguma distração patética.

Você, dona dos meus olhos, luz dos meus olhos. Totalmente errada e imperfeita e é isso que a torna pra mim tão perfeita, é a ausência do meu eu, meio oposta, teu jeito me tornou mulher mostrando que sonhar é bom porém ter os pés no chão também. Eu preciso de você e quero você.

Eu não me importo mais, não me importo de ficar no sigilo ou te assumir pro Brasil, isso é um tanto faz, o que mais importa é ter você, temos tempo, tempo de sobra pra viver o que queremos e ser.

Apenas seja minha que eu serei de você.