Por que você faz assim comigo?

Por que eu fiz assim comigo?

Você pode fazer essa leitura ao som de Mallu Magalhães, cujo título da música é o mesmo deste texto:

Aconteceu novamente, eu. Somente eu a culpada por tudo o que aconteceu, lembro que da última vez quando prometi a mim mesma não fazer mais e ter cuidado, mas foi falho.

A ausência e o auto isolamento me trouxe consequências como a carência, as vezes não é por que ninguém gosta de mim, as pessoas gostam visando que não sou desagradável, sou tranquila e serena mais sou eu quem prefere o silencio, o ficar só e tudo isso pelo medo dos problemas, medo de ser a causa deles.

E é bem simples, as pessoas se aproximam querendo conhecer a menina quieta, descobre que não é tão quieta e se vão os diálogos, a menina confia e caí gradativamente em um vínculo que criou sozinha.

O meu sentimental não é lá daqueles bem arquitetados e faz com que uma gota seja totalmente intensa, ao invés de tempestades em copos faz-se uma maré que as vezes é calma e outras brava isso vareia do gostar, ah! o gostar… Esse se tornou de todos o maior problema, trás o confiar demais, o falar de mais, se soltar de mais e derre pente não tem mais as crises de ansiedade porque ta totalmente a vontade para cometer todos os erros cabíveis.

Tudo é muito e um sorriso foi o motivo de ter fogos de artificio em meu peito, um beijo o motivo de borboletas em meu estômago, interpretei mal cada palavra, criei o que nunca poderia existir e a consequência foi a dor, me machuquei, um soco no estômago que acertou todas as borboletas causando vazio.

Tremer, chorar, sorrir e dizer — Eu juro que tá tudo bem, não precisa se preocupar!

A culpa é só minha por exatamente todos estarem agindo normalmente, a estranha sou eu. Minha pressa atropela e passa por cima, apesar de ser calma nunca vou com calma mais eu tento, por ir com tanta sede e encontrar o copo vazio o choque se torna maior.

Chorar, sentir tudo aquilo que se tem pra sentir e então adoecer é esse o processo, eu sou pequena, por onde passo me torno a causa de todos os problemas e fujo de todos que querem me cuidar.

Mas a pergunta é porque eu fiz assim comigo? Eu não sei, não tem explicação, nenhum diagnóstico direto sendo o único remédio o meu silêncio.