Quarto a meia luz

Poderia ter sido tudo a base de planejamentos, mas não foi, foi apena mais um daqueles momentos em que fomos presenteados.

Teus dedos buscavam minha pele por debaixo dos edredons, por debaixo das minhas roupas até explorar mais além, te permitir me despir e tu fez isso lentamente, observou-me bem, disse que não queria jamais esquecer da visão que estava tendo de mim; deitada naquela cama usando apenas a lingerie de renda preta.

Me descobriu, te descobri, nos descobrimos e logo eu que não sou fã de sexo deixei meu corpo unir ao teu. Foi o teu calor que me fez se render e como os laços ficamos entrelaçados nos tornando um só.

Em um quarto a meia luz se fez sombra na parede, singularmente viramos arte em um quarto de janela aberta com vista para a lua, me permitir olhar nossas sombras e através dela te vi passear cada centímetro do meu corpo com a boca.

Senti o calor que vinha de dentro da minha alma, os suspiros já não eram suficientes e ao lugar deles saíram gemidos, porque o impacto do teu corpo encaixando no meu levou-me ao extremo e ali eu gozei, senti o frio na barriga e então viva.

Logo eu que não gosto de sexo, o nosso poetizei, porque momentos assim não se devem esquecer…

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Jessica Suguyama’s story.