A Democracia Corintiana

O poder que emana do povo

O Contra-Ataque
Sep 25, 2017 · 5 min read
Corinthians estampa no uniforme a chamada para eleições diretas de 15 de novembro de 1982 , para a escolha do Governador do Estado. Foto: Trecho do filme “Democracia em Preto e Branco”.

Por Pedro Gomes e Thiago Felix

Combinação Democrática

Nenhum terreno inóspito para a liberdade de ideais e fértil para repressões foi suficiente para impedir o nascimento de um movimento que ajudou a mudar o Corinthians e, acima de tudo, contribuiu para as mudanças no Brasil.

Com a saída de Vicente Matheus da presidência do Corinthians, abriu-se um espaço para a chegada de Waldemar Pires. Além do novo presidente, o clube recebeu um novo gestor do futebol no clube, o sociólogo Adilson Monteiro Alves, filho do dirigente Orlando Monteiro Alves.

A combinação de um sociólogo comandando o futebol do clube com jogadores politizados e rebeldes — como Dr. Sócrates, Casagrande, Wladimir, Zé Maria e o zagueiro uruguaio Daniel Gonzales — somados à nova presidência de Pires, formaram a combinação perfeita para o nascimento da Democracia Corintiana. Com início no ano de 1982, permaneceu até o final de 1984, depois de conquistar o bicampeonato Paulista de 1982/83.

Diversas personalidades foram importantes no processo de divulgação e construção do movimento político que nascia no Corinthians. O Publicitário Washington Olivetto foi um dos responsáveis pela escolha do nome. O Jornalista Juca Kfouri, sempre presente nas reuniões, e o médico do clube, Flávio Gikovate, também contribuiram para processo de democratização do clube.

Em termos de futebol e do clube, a Democracia Corintiana deu voz aos jogadores. Eles opinavam nas palestras do técnico, na escalação, na escolha de novos atletas, etc. A concentração e seu conservadorismo era outra pauta importante do clube, foi determinado que casados poderiam ficar fora da concentração, apresentando-se apenas para o almoço. Bebida alcoólica não era mais tabu, todos tinham liberdade para tomar cerveja. Reformando a constituição do clube, Zé Maria, Sócrates e Wladimir tornaram-se conselheiros. Liberdade era o lema.

Gaviões da Fiel e a Democracia Corintiana

“Gaviões nasceu para combater o Wadih Helu (na época atual presidente do clube), deputado que era do partido Arena (militares), que se elegia sucessivamente usando o prestigio do Corinthians. Foi um movimento da arquibancada para dentro do clube”, diz Chico Malfitani, fundador da Torcida Organizada Gaviões da Fiel.

Chico enfatizou a importância da democracia para o Brasil e a influência do Corinthians no Processo.

Sobre a influência do movimento para a próxima geração, Chico mantém a esperança. “Olha, a história nunca é definitiva, ela é dialética. Nós estamos vivendo um momento difícil no país e no futebol. Hoje vivemos em uma sociedade do individualismo e do conservadorismo, um fenômeno mundial. Seguramente estamos passando por um momento difícil no pais, principalmente na falta de informação, a mídia sempre mostrando só um lado da história. Mas amanhã vai ser outro dia, depois da idade média vem o renascimento”.

Chico é jornalista e publicitário. Em 1977, cobriu para revista VEJA a invasão da PUC-SP. “Eu estava saindo de casa para jantar, e recebi a ligação da redação da Veja, me falaram que a PUC tinha sido invadida pela PM do Erasmo Dias. Fui correndo para lá, fui um dos primeiros a chegar. Vi a repressão da polícia, os estudantes sendo colocados em fila indiana, colocados num estacionamento que existia em frente à PUC. Todos os alunos estavam sendo colocados ali, todos sentados olhando para o chão, passando num corredor polonês, o Erasmo Dias enlouquecido, babando de ódio, o policias também. Estavam ali para reprimir um congresso da UNE que tinha sido proibido. Muita violência, jogaram bombas, meninas foram queimadas, foi um clima de muito terror”.

A Gaviões da Fiel foi a primeira entidade a levantar uma faixa contra a Ditadura Militar em um estádio de Futebol, com os dizeres “Anistia Ampla, Geral e Irrestrita.” Em 28 de agosto de 1979, seis meses depois da faixa da Gaviões da Fiel, a Lei de Anistia foi aprovada por Figueiredo.

Gaviões clamam por anistia nas arquibancadas. Foto: Divulgação.

Legado democrático

Motivados pela grande influência da Democracia Corintiana nos rumos do futebol brasileiro, dentro e fora de campo, jogadores e pessoas envolvidas com o esporte mais popular do país continuam usando essa grande plataforma para exporem suas opiniões para o público com a intenção de tentar persuadi-los a compartilhar com seus pensamentos.

Titular da atual equipe e peça-chave para o título brasileiro de 2015 pelo próprio Corinthians, o meio-campo Jadson apoiou abertamente a candidatura de Jair Bolsonaro para as eleições presidenciais de 2018 (confira o vídeo no UOL aqui). O deputado defende publicamente ideais fascistas e retrógrados em sua campanha, e sua política de propagação de discurso de ódio ameaça todos os avanços sociais conquistados bravamente nas últimas décadas. As atitudes e posições de Jadson fazem o torcedor duvidar se o atleta tem o mínimo de consciência da história do clube que o deu tanto espaço, considerando uma afronta aos heróis da Democracia, que marcaram época lutando pela igualdade e pelo progresso ideológico.

Foto: Divulgação.

Tal apoio, porém, acaba levantando outra questão a ser discutida: Até onde podemos vangloriar os feitos dos atletas revolucionários da Democracia Corintiana e o modo em que eles chegaram aos seus objetivos e criticarmos Jadson por, teoricamente, apenas exercer seu direito de liberdade de expressão e apoiar seu candidato de preferência? Devemos tolerar o apoio ao discurso de ódio ou vetar tais posicionamentos pelo fato de apresentarem perigo para o futuro do país e corrermos o risco de ser censurados usando a mesma premissa no futuro?

Esse “Paradoxo da Tolerância” é dissecado pelo filósofo austríaco Karl Raimund Popper, que defende a ideia de que se a tolerância for tão ampla ao ponto de nenhum ponto de vista, independentemente de quão degradador for a posição, for combatido, as pessoas tolerantes serão eventualmente destruídas pelos intolerantes. “A tolerância só pode seguir existindo numa sociedade se seus defensores se dispuserem a também ser intolerante com os intolerantes”, diz Popper. A Democracia vive, seguimos em frente.


Texto originalmente publicado no Contraponto.

O Contra-Ataque

O futebol é uma manifestação cultural.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store