Olivio Lamas/ Agência: O Globo

A mídia alternativa cobrindo o futebol

Confira a nossa lista de veículos que estão fazendo a diferença na cobertura do esporte mais popular do planeta.

Por Thiago Felix

A descrença na grande mídia está presente nos últimos tempos, principalmente após a falha na cobertura da eleição do Donald Trump. Ninguém dos grandes players de comunicação conseguiu prever tal vitória. A palavra bolha foi a escolhida da vez, mas um fenômeno interessante veio em paralelo a este. Os números de assinaturas de veículos de comunicação aumentaram, tanto do The New York Times, quanto outras midias do jornalismo independente.

Parece que a entrada catastrófica de D. Trump acabou por aquecer a engrenagem dos meios de comunicação. As pessoas sentiram a necessidade de se manterem informadas, mas a exigência de uma cobertura mais ampla, independente e fora da bolha urge.

O Futebol não fica de lado. Os canais que atingem a grande massa, como a Rede Globo e Bandeirantes em televisão aberta, a Jovem Pan e Energia 97 pelas ondas do rádio, disputam cada ponto de audiência. Restringindo ao público das televisões fechadas, a trincheira é disputada pelos canais Fox Sports, SporTV, Esporte Interativo e ESPN; no Jornalismo de portal o Globoesporte e o UOL Esportes dominam a cena. No impresso, a Placar tenta respirar e se reinventar desesperadamente.

Não há diversidade nessas mídias, eles praticamente se retroalimentam com as mesmas manchetes, disputando os mesmos anunciantes para sobreviverem pela publicidade. O conteúdo massificado garante uma fatia da audiência de acordo com o alcance do veículo.

Por um caminho distinto, tem muita gente querendo oferecer bons conteúdos, quando o assunto é a bola e os gramados. Uma gama de assuntos que não são abordados nas tradicionais mesas redondas e nos programas apresentados por rapazes de sapatênis e bem-humorados, encontram vozes nessas mídias. Conteúdo de qualidade a ser garimpado e encontrado. Mas mesmo sem o alcance que merecem, não deixam a bola cair e avançam no gramado.

Nós d’O CONTRA-ATAQUE também nos enquadramos nessa, por isso, criamos esta lista metalinguística de podcasts, sites e revistas. Para facilitar a vida de nossos leitores, compilamos, nos links abaixo, uma série de mídias alternativas que estão fazendo um belo trabalho. Um dossiê de ponto de partida para entorpecentes mais pesados. Cuidado, bom conteúdo vicia e ajuda a democratizar a informação. Boa caça ao tesouro!