Chegou o dia de resolver

“Aqui é Palestra, Cazzo!”

Por Gabriel Paes

“A atmosfera de um clássico é bem diferente” — Evair

É o dia pra esquecer de tudo. Não há como passar despercebido pelo clima de um dérbi, seja aonde for. Na escola e no trabalho, começam as primeiras provocações, que já foram bem maiores quando um esteve no topo e o outro em baixa. Depois com os amigos, que fazem questão de lembrar das embaixadinhas do Edílson na final do paulista de 1999.

Fotos: Divulgação

Eu retruco com a eliminação dos caras na Libertadores no mesmo ano. Se insistirem, é só jogar o super trunfo: o pênalti que o Marcos defendeu do Marcelinho pelo mesmo campeonato, logo no ano seguinte.

E entre um mundial e outro, um rebaixamento aqui e uma final ali, a gente segue se provocando até o apito inicial. Quando o jogo começa, já é outra história e fica todo mundo vidrado por 90 minutos + acréscimos + catimba + uma confusão que sempre rola quando o juíz começa a inventar demais.

Lembro de vários dérbis que o Palmeiras ganhou e de vários que perdeu. Mas o que importa mesmo é o de hoje, que vai valer o gostinho para quem ganhar. Isto é, pelo menos até a semana que vem, quando o panorama do futebol brasileiro já estará completamente diferente, nessa eterna transmutação.

Em uma rápida entrevista — quase uma prosa — com o Matador Evair, ele me disse:

Foto: Divulgação
“Se não fosse o Corinthians, o Palmeiras talvez não tivesse a grandeza que tem hoje e vice-versa. A atmosfera de um clássico é bem diferente e amanhecer com uma vitória contra o Corinthians é maravilhoso”

É difícil apontar qual é o melhor Dérbi que um torcedor já viu. Felizmente, todo ano rola um bem melhor que os anteriores: o último eletrizante que eu vi foi o 3 a 3 no Allianz Parque, em 2015. Mas depois teve o chapéu do Dudu. E teve a eliminação em Itaquera. E teve outra vitória em Itaquera, com gols do “aposentado” Zé Rovelho e Moisés do cajado — quem diria.

Como amante do futebol, espero um grande jogo, com ao menos 3 gols.

Como palmeirense, digo que chegou o dia de resolver, como falei na Aqui é Palestra, Cazzo! da semana passada.

Uma vitória com gol contra chorado e nos minutos finais vai me fazer delirar, tanto quanto me fez em diversas outras vezes.


O CONTRA-ATAQUE apresenta: “Aqui é Palestra, Cazzo!”, uma coluna do Palmeiras.