Reprodução: Site Trivela

Jogo da vida

“Raro prazer, sabor de emoção”

Por Thiago Felix

Ninguém consegue parar o Coringão, melhor defesa, segundo melhor ataque, invicto por 12 rodadas, aproveitamento aproximado de 90%, 9 pontos de diferença do segundo colocado, 15 pontos para ficar fora da libertadores.

Números incríveis, não é mesmo? Porém, ao sair pelo bairro de manhã para levar minha filha ao colégio, fardado com o manto alvinegro obviamente, afinal, é dia de dérbi, ouvia a cada três passos: “É hoje!”

Se algum ser de outro planeta, que entendesse equações matemáticas, pousasse hoje no Planeta Terra, com as coordenadas apontadas pelo acaso para a cidade de São Paulo-SP, Brasil, não entenderia nada. Como assim, esses caras estão preocupados com um jogo, sendo que o time está com a melhor campanha da história? Quem conseguiria explicar? Sentimento e amor são coisas inexplicavéis. Isso ninguém jamais entenderá.

Torcedores foram até o CT Joaquim Grava, local de treinamento e preparação do clube, para incentivar e passar o real significado e importância de ganhar o clássico. Uma rivalidade centenária dentro dos gramados, dois clubes fundados por imigrantes. Sintonias de irmão, sempre discutindo, sempre pensando algum posicionamento diferente, mas sem um, o outro jamais existiria. O objetivo é sempre o mesmo: existir para ganhar o clássico, todo dérbi é o jogo da vida.

DiegoSalgado/ UOL Esporte
"É Sangue no olho, é tapa na orelha, é o jogo da vida, Corinthians não é brincadeira"

O Corinthians sempre foi assim, em 22 anos e 8 meses sem ganhar nem campeonato de peteca, nós aumentamos a nossa torcida. Quanto mais se sofria, mais a massa crescia. O Clube que movimentou o maior número de pessoas para se deslocar em tempos de paz, 70 mil torcedores percorreram mais de 400 km em 1976. Alguém consegue explicar?

Eu também não fujo a regra, como um bom maloqueiro e sofredor , fiz minha tatuagem do Corinthians logo após o rebaixamento. Afinal, eu nunca vou te abandonar, tá ligado? Como explicar isso também? Que hoje os Deuses do futebol possam presentear os torcedores com um belo espetáculo. Mas para os palmeireinses e corintianos, eu desejo apenas o deleite de assitir o maior jogo do mundo, mesmo que o resultado seja um amargo 0x0. E que o Corinthians continue sendo a cachaça do torcedor.


O CONTRA-ATAQUE apresenta: “Raro prazer, sabor de emoção”, uma coluna do Corinthians.