Boa-nova

O ancião da tribo rasga a lebre escolhida ao meio, verticalmente, com uma faca na mão enquanto a suspende pelas orelhas com a outra. As vísceras caem ao chão em um padrão caótico. Com a mão em forma de concha ele acumula o sangue gotejante. Leva a boca e prova o liquido quente, fecha os olhos e passa a mão pelo rosto, manchando-se. Ainda de olhos fechados ele inicia a dança solitária. O resto da tribo, que assiste ao ritual, sabe que a música deve começar.

Primeiro os tambores rompem o silêncio, seguido pelas flautas e chocalhos acompanhados por um coro que não pronuncia palavras. O ancião se deixa levar pelo ritmo, saltitando de pé em pé, levantando areia ao redor do sacrifício feito. Ele direciona seu rosto em direções diferentes no horizonte, como se procurasse algo, mas seus olhos estão fechados. O rito segue por alguns minutos até que o ancião para de súbito, e a musica cessa. Com seu colar de ossos, o rosto benzido de sangue e os olhos totalmente brancos ele anuncia ao resto do clã.

– Chuva. Dois dias. ­

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.