Image for post
Image for post

Carente de inovações, jornalismo local precisa se modernizar para sobreviver

Vivendo à sombra das mudanças recentes observadas nos grandes centros, ecossistema jornalístico que alicerça a democracia no interior do Brasil vive sob a ameaça de retração

Sérgio Spagnuolo
Dec 17, 2018 · 6 min read

Em 2019, o jornalismo local no Brasil precisará se modernizar para sobreviver. Esse processo implicará tomar decisões que já vêm sendo implementadas por veículos jornalísticos das grandes cidades. Principalmente a diversificação do modelo de negócios, a readequação da estrutura de custos e a atualização de métodos de produção de conteúdo.

“Atualização” ainda não é uma palavra que encontra ressonância no trabalho de muitos produtores de conteúdo local em diversas regiões do país, especialmente fora do eixo Rio de Janeiro-São Paulo-Brasília. No Brasil, cerca de 60% dos veículos de comunicação são rádios, jornais impressos ou revistas. Os veículos online, que geralmente estimulam mais inovação, constituem apenas 18% do total, segundo o mais recente levantamento do Atlas da Notícia.

Em contraste, nas cidades que despontam na dianteira da inovação jornalística no Brasil, como São Paulo e Rio de Janeiro, a transição das mídias mais tradicionais para a internet é patente: cerca de dois terços dos veículos já são online.

Um dos motivos para a resistência à mudança do jornalismo local fora dos grandes centros pode ser a dificuldade de implementação de novas formas de financiamento e a dependência do velho modelo econômico de publicidade. Enquanto o dinheiro entra (mesmo que menos), a máquina se move (mesmo que capenga). Assim, as operações seguem funcionando, mas sem fôlego para inovar.

A estrutura de custos tem sido readequada, mas por estresse econômico, e não por reavaliação estratégica. E os métodos de produção permanecem quase imutáveis: há pouca inovação na reportagem, pouco investimento em educação profissional e baixa adesão a serviços baseados em novos formatos (um exemplo disso pode ser o podcast ou a newsletter).

Sem um processo de modernização, a produção de conteúdo jornalístico no nível municipal pode entrar em retração.

Há evidências que apontam para esse cenário: 30% dos municípios brasileiros possuem apenas um ou dois veículos jornalísticos, de acordo com os dados recentes do Atlas da Notícia. Isso significa que essas localidades, e seus 34 milhões de habitantes, correm risco iminente de se tornarem “desertos de notícias”. Somando-se a outros 30 milhões de brasileiros que já vivem nesses desertos, mais de 30% da população não teria acesso ao noticiário local caso seus únicos veículos fechem as portas.

Ecossistema jornalístico

Para fazer essa projeção em relação à cobertura jornalística local — de saúde e educação pública, de meio ambiente e de mobilidade, por exemplo — é preciso entender o que vem acontecendo no ecossistema jornalístico brasileiro recentemente.

Ao longo dos últimos cinco anos, o jornalismo nacional vivenciou o surgimento de novas iniciativas. Também notou-se a difusão de novos formatos digitais e a migração de parte do conteúdo e da circulação para as redes sociais. Ao mesmo tempo, estruturas herdadas do meio impresso — como os banners publicitários e a herança corporativa das empresas de mídia tradicionais — se tornaram cada vez mais defasadas e onerosas, embora ainda carreguem capital jornalístico em função do seu legado.

Essa dicotomia entre o novo e o velho trouxe entusiasmo frente às novas possibilidades, mas também preocupação e ansiedade, além de certo pessimismo sobre o futuro por parte de muitos jornalistas. Desde 2012, mais de 2.300 jornalistas foram demitidos de redações brasileiras, geralmente para cortar custos. Além da questão trabalhista, o acirramento da tensão política no país tem originado episódios de hostilidade contra a imprensa por parcelas pequenas, mas muito barulhentas, da população, geralmente inflamadas por políticos de pólos antagônicos do espectro político.

Sabemos exatamente o impacto que a erosão das estruturas do jornalismo tradicional tiveram no jornalismo local: fechamento de jornais ou o impedimento econômico para o surgimento de novos veículos. Consequentemente, o surgimento de desertos de notícias.

Ao menos 80 periódicos importantes para as suas respectivas cidades fecharam as portas desde 2011, provavelmente sem a ascensão de novos no lugar. Entre eles estão jornais como A Cidade, de Ribeirão Preto (SP), Jornal de Domingo, de Governador Valadares (MG), e Diário de Borborema, de Campina Grande (PB).

Em contrapartida, veículos como a Gazeta de Maceió e a Gazeta do Povo, de Curitiba, encerraram edições impressas, mudando a dinâmica do impresso para a internet. Embora infelizmente demissões tenham acontecido no processo, a movimentação mudou substancialmente a orientação dessas redações em direção a estratégias concentradas principalmente no digital.

Novo digital vs velho impresso

A situação do jornalismo local contrasta quando colocada ao lado de uma nova safra de iniciativas surgidas em meio à crise dos modelos de negócio tradicionais do setor. Publicado em 2017, um abrangente estudo da Sembra Media indicou a existência de 25 startups jornalísticas brasileiras. A Agência Pública mapeou cerca de 80 novos veículos independentes em atividade nos últimos anos. A grande maioria atua em áreas específicas, como curadoria de notícias e jornalismo de dados, ou segmentam seu conteúdo em temas como cobertura jurídica, feminismo e direitos humanos. Aparentemente, poucos contemplam a experiência da cobertura local, salvo algumas exceções, e ainda não está claro o impacto desse movimento de novas iniciativas no noticiário municipal.

Seja esse impacto qual for, jornais impressos, rádio e televisão ainda possuem um papel muito significativo na vida das pessoas. As mesmas estruturas de imprensa que se mostram defasadas em relação à realidade digital surgidas nos grandes centros alicerçam, por ora, a democracia no interior dos Estados. Por isso, em 2019, precisaremos perguntar: se os pilares do modelo de subsistência do jornalismo estão em risco até mesmo onde há mais inovação e empreendedorismo, como conseguiremos mantê-los de pé em uma realidade ainda dependente dos velhos modelos? Como o jornalismo local pode aprender com a experiência digital?

Image for post
Image for post

Há de se destacar algumas iniciativas. Embora o noticiário de repercussão nacional permaneça concentrado majoritariamente no eixo Rio de Janeiro-São Paulo-Brasília, com alguma extensão para outras capitais, veículos de outras regiões têm buscado pautar-se pela inovação ao cobrir realidades municipais e regionais.

Em maio, por exemplo, os jornais O Povo, de Fortaleza, Jornal do Commercio, de Recife, e Correio, da Bahia, lançaram uma rede de notícias do Nordeste, que envolve a troca livre de conteúdo, fortalecendo o jornalismo na região. Já em setembro, a Rede Gazeta, de Vitória, lançou uma unidade dedicada à prática de jornalismo orientado por dados, seguindo movimentos das maiores redações brasileiras.

Para que mais iniciativas como essas aconteçam, é necessário compreendermos a fundo o que mantém os velhos padrões na dianteira e o que permite a existência dos desertos de notícia.

Seria um problema demográfico — afinal, a média populacional desses municípios é de apenas 11 mil habitantes — e econômico? Seria uma questão de educação? Ou até mesmo de falta de segurança para jornalistas exercerem a profissão? Talvez uma consequência da conectividade, do ainda limitado acesso à internet? Ainda precisamos nos aprofundar nos estudos para responder essas questões.

2019 será um ano possivelmente com uma nova relação entre a sociedade e o jornalismo. Mesmo com certos atritos, causados pelo aumento da polarização política e pela difusão de desinformação em redes sociais e aplicativos de mensagem, para a democracia persistir, essa relação deve ser boa. O jornalismo local precisa ser mais confiável e presente na vida das pessoas, e, para isso, precisa não apenas existir, mas também aprimorar seus padrões editoriais, de negócios, de tecnologia e de governança.

Este texto faz parte da série O Jornalismo no Brasil em 2019. A opinião dos autores não necessariamente representa a opinião da Abraji ou do Farol Jornalismo.

Image for post
Image for post

O jornalismo no Brasil em 2019

A convite do Farol Jornalismo e da Abraji, jornalistas e…

Sérgio Spagnuolo

Written by

Jornalista, editor e fundador da agência de jornalismo Volt Data Lab (www.voltdata.info). Coordenador do Atlas da Notícia, uma iniciativa sobre jornalismo local

O jornalismo no Brasil em 2019

A convite do Farol Jornalismo e da Abraji, jornalistas e pesquisadores brasileiros projetam a profissão para o novo ano.

Sérgio Spagnuolo

Written by

Jornalista, editor e fundador da agência de jornalismo Volt Data Lab (www.voltdata.info). Coordenador do Atlas da Notícia, uma iniciativa sobre jornalismo local

O jornalismo no Brasil em 2019

A convite do Farol Jornalismo e da Abraji, jornalistas e pesquisadores brasileiros projetam a profissão para o novo ano.

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store