RAÇA! No último minuto, Pantera arranca empate em Bragança Paulista

Na estreia, equipe teve oscilações, porém mostrou futebol razoável; ponto fora de casa é bom resultado

O garçom Vitinho sobe ‘de cavalinho’ no estreante Gerley, autor do primeiro gol botafoguense (Foto: Rogério Moroti/Ag. Botafogo)

Na noite deste sábado (13), o Botafogo conseguiu um bom resultado em sua estreia no Campeonato Brasileiro da Série-C de 2017. Jogando no estádio Nabi Abi Chedid, o Tricolor travou embate duro e equilibrado frente ao Bragantino, empatando em 2 a 2 contra o time de Bragança Paulista e, assim, levando um ponto importante na bagagem de volta a Ribeirão Preto.

Melhor em campo no início, o Pantera chegou a abrir o placar e perder algumas chances reais de gol. Sofreu o empate ainda antes do intervalo, caiu de produção e tomou o segundo perto dos 40 da etapa final. Entretanto, teve ousadia e força para reagir e buscar nova igualdade, vinda dos pés do renegado Isaac Prado no último lance.

O entrosamento e o ritmo de jogo pesaram, mas o pouco apresentado é animador. O nível de dificuldade do primeiro confronto pela terceira divisão adianta o que pode ser a tônica dos próximos duelos. A partida seguinte está marcada ao sábado (20), às 19h30, no estádio Santa Cruz.

O JOGO

O tal tempo para as equipes estudarem umas as outras durou pouco, antecipando a intensidade por vir do encontro. Aos 6, Vitor desceu pela esquerda e cruzou, Neneca não achou nada e Wellington desajeitado completou para fora.

No lance seguinte, Matheus Cancian chutou de longe e obrigou o goleiro Rafael Pascoal espalmar para escanteio. Na sequência, Cancian cruzou para Edno testar firme para outra grande intervenção de Pascoal.

A pressão botafoguense seguiu e os comandados de Rodrigo Fonseca abriram o placar. Da ponta esquerda da área, Gerley fez bela tabela com Vitinho e chutou forte cruzado para o fundo do gol.

Inaugurado o placar, a partida ganhou ainda mais agitação com ambas equipes tendo espaço para criar. O Braga tentava o empate. Aos 18, Gerley evitou em cima da linha o gol de cabeça de Guilherme Mattis. Aos 22, Gilberto finalizou bem e fez Neneca trabalhar.

Aos 26, Vitor fez tabelinha curta com Rafael Chorão, saiu da ponta direita até o meio e arrematou forte e rasteiro da intermediária para igualar o marcador. A pancada era defensável, mas Neneca não conseguiu rebater.

Antes do intervalo, o Pantera assustou mais uma vez. Aos 34, em contra-ataque rápido iniciado em calcanhar desconcertante de Morais, Edno disparou do campo defensivo até o ofensivo acompanhado por dois companheiros contra dois defensores. Tocou para Vitinho na ponta direita da área, que tentou passar a Diego Pituca sem sucesso. Na sobra, Edno não conseguiu completar ao gol.

No segundo tempo, a partida continuou aberta e, desta vez, um pouco menos agitada. As oportunidades claras para marcar rarearam. Os times alternavam-se no comando da posse de bola.

O jogo ganhou emoção na parte final. Aos 37, em lance individual, Wellington acabou calçado por Caio Ruan na área e o árbitro assinalou corretamente a marca da cal. Na cobrança, Neneca acertou o canto, mas Vitor bateu no alto sem chances ao arqueiro botafoguense.

Logo após levar a virada, Rodrigo Fonseca sacou o volante Matheus Cancian e adicionou mais um atacante, Serginho. O Tricolor recuperou seu ímpeto e já nos acréscimos empatou na mesma moeda. Aos 47, Guilherme Mattis deslocou Isaac Prado, que havia entrado no segundo tempo, e o árbitro deu a penalidade. O próprio Isaac encarregou-se da cobrança e, deslocando Pascoal, fez.

Veja os gols e lances de perigo do embate (Fonte: EI MAXX)

FICHA TÉCNICA — BRAGANTINO 2 X 2 BOTAFOGO

Gols: Vitor, aos 26’/1ºT, e aos 37’/2ºT (Bragantino); Gerley, aos 09’/1ºT, e Isaac Prado, aos 47’/2ºT (Botafogo).

Cartões amarelos: Fabiano e Edson Sitta (Bragantino); Mateus Cancian e Isaac Prado (Botafogo).

BRAGANTINO — Rafael Pascoal; Kellyton, Gilberto, Guilherme Mattis e Fabiano; Adenilson, Edson Sitta, Wellington (Daniel Pereira) e Rafael Chorão (Daniel Carvalho); Roberto Pitio (Matheus) e Vítor. Técnico: Alberto Félix.

BOTAFOGO — Neneca; Carlos Henrique, Caio Ruan, Gladstone e Gerley; Rodrigo Thiesen, Mateus Cancian (Serginho), Diego Pituca, Vitinho (Wesley) e Morais; Edno (Isaac Prado). Técnico: Rodrigo Fonseca.