Insensato

Serie de poemas “Duas palavras uma estação”

Insensatez eu diria

Acordar contigo em meu peito

Dormindo ainda ao relento

Tão insensato quanto imperfeito

Fazer não por volúpia

Queimar não por prazer

Arder não porque é chama

Cometer pecados, só para viver

Não amas o insensato ao lado

Morrer de amor os insensatos são jurados

Levantar e amar de novo

Cometer o mesmo erro tolo

Não que para amar precise de tato

Apenas para ser mais um insensato


Originally published at oretornodecronus.blogspot.com on February 16, 2017.