Novo Observatório Vai Estudar Estrelas de Neutrões a Partir da ISS

No passado dia 3 de Julho, um módulo desenvolvido e lançado pela SpaceX Dragon acoplou com a ISS (International Space Station). Para além dos necessários mantimentos para os astronautas, a nave transportava um instrumento que poderá revolucionar o nosso conhecimento sobre alguns dos objectos mais extraordinários do Universo — as estrelas de neutrões.

O observatório NICER. Crédito: NASA.

Designado por NICER (Neutron star Interior Composition Explorer), trata-se de um observatório de raios X desenhado especificamente para estudar a estrutura interna e as propriedades da matéria em condições extremas. Os instrumentos do observatório, ligados no dia 14, estão a funcionar como planeado e o NICER observou já cerca de 40 alvos com o objectivo de calibrar os instrumentos — um passo fundamental para compreender o comportamento e as fontes de ruído do hardware — antes do início da recolha de dados científicos.

Durante a calibração dos instrumentos do NICER, foi possível detectar uma erupção de raios X proveniente do sistema binário 4U 1608–522. Estas erupções ocorrem quando o gás acumulado na superfície de uma estrela de neutrões, capturado de uma estrela companheira, atinge uma densidade crítica e provoca uma explosão termonuclear. A superfície super-aquecida da estrela de neutrões brilha então, temporariamente, em raios X. O NICER consegue detectar estas variações com uma resolução temporal extraordinária. No caso do 4U1608–522, por exemplo, a estrela de neutrões roda 619 vezes por minuto, expondo muito brevemente a região aquecida e emissora de raios X. Crédito: NASA.

Um outro aspecto da missão tem como objectivo o aperfeiçoamento de técnicas que permitam a utilização de observações de pulsares (estrelas de neutrões que emitem feixes de radiação com períodos extremamente precisos) para desenvolver um sistema semelhante ao GPS (Global Positioning System) mas para a navegação espacial, e.g., a utilizar por sondas interplanetárias.

Referências: NICER, notícia NASA.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.