A Lava Jato e as tarefas da esquerda

o barulho
o barulho
Apr 11, 2017 · 2 min read

O primeiro a ser dito é que a Operação Lava Jato não vai passar o Brasil a limpo, como muitos iludidos pensam. Não se passa nenhum país a limpo com operações dirigidas por policiais, promotores e juízes parciais, que representam instituições de um Estado que existe para preservar privilégios. O que realmente passa países a limpo são as revoluções sociais, massivas, democráticas, conduzidas pelo ideal de uma sociedade sem exploração e opressão.

Afirmar o óbvio é o que cabe à esquerda quanto à Lava-Jato: que se investigue tudo, que sejam levados a julgamento todos os envolvidos e punidos os realmente culpados. Isso dificilmente acontecerá, se considerarmos o inegável comprometimento partidário do juiz Sérgio Moro, do Procurador Dallagnol, e dos delegados diretamente vinculados à Operação Lava-Jato. Está claro que agem para proteger os tucanos e o PMDB ligado a Temer. No Supremo Tribunal Federal (STF), agora com o tucanato fortalecido com a presença de Alexandre de Moraes e contando com a onipotência presença de Gilmar Mendes, além da pusilanimidade da maioria dos demais membros, são grandes as chances de limitarem ao PT e ao PP as principais condenações. Aliás, quanto a esses dois partidos, a homofonia das siglas tem sido de inestimável utilidade à cruzada da grande mídia para liquidar Lula e seu partido. Grande parte da população atribui à corrupção a fonte dos problemas nacionais. Deduz-se daí — conforme recente pesquisa da Fundação Perseu Abramo — que o Estado e os governos são os vilões e que os políticos são todos iguais.

A intenção do bombardeio ideológico da mídia é preservar a imagem do grande empresariado e, desse modo, evitar a abordagem quanto ao principal problema do país que é a desigualdade social. É tarefa da esquerda mostrar ao povo que a corrupção é imanente ao capitalismo. Ela pode ser reduzida, mas não extinta, enquanto vivermos em uma sociedade cujos valores são medidos em cifras, não em comportamentos. Especificamente quanto à Lava Jato, não cabe posições extremistas: nem fé cega, nem faca amolada.

Clayton Avelar é professor de história e Presidente do Sindicado dos Servidores da Assistência Social e Cultural do Distrito Federal — SINDISASC/DF

obarulho

o barulho dessa cidade é a nossa voz

o barulho dessa cidade é a nossa voz

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade