As eleições presidenciais de 1989 e a influência do debate editado pela Rede Globo em seu resultado

As primeiras eleições diretas pós-Regime Militar no Brasil foram marcados por uma questionável atuação da emissora na cobertura e divulgação dos fatos

Vinícius Gálico
Jan 7, 2018 · 5 min read
Fernando Collor de Mello e Luis Inácio Lula da Silva em debate televisivo mediado pelo jornalista Bóris Casoy.

A década de 1980 marcou um gradual processo de retorno à democracia no Brasil. O Regime Militar vigente desde 1964 estava desmoronando em seus próprios erros e obscuridades, e a população finalmente retornava às ruas após o AI-5 de 1968 para exigir o fim da ditadura e o início de um novo período democrático. Sindicatos, movimentos organizados (como o estudantil) e a ascensão de novos partidos no cenário político somavam-se em uma matemática desfavorável aos militares. Em 1984, já era possível sentir os ares da redemocratização no Brasil.

Mesmo assim, o movimento das Diretas Já! falhara em promover eleições com participação popular neste ano e, como consequência, a escolha do primeiro presidente da Nova República brasileira se deu por via indireta. Seriam necessários mais 5 anos para que os brasileiros testemunhassem a ascensão de um presidente elegido pelos seus votos nas urnas.

Apesar do movimento Diretas Já! levar milhões de brasileiros às ruas, o Congresso rejeitou eleições diretas em 1984.

O fim da espera

1989 foi o ano deste estabelecido para o tão esperado pleito. Seja por ter sido o primeiro através de via direta do período da redemocratização, seja pelos momentos marcantes (para o bem e para o mal, e regados à ofensas entre os candidatos, humor espalhafatoso e uma dose de esperança e renovação nacional que emanava de seus discursos) estas eleições tornariam-se icônicas na história do país. Como era de se esperar, e não poderia ter sido diferente, a corrida eleitoral foi intensa e marcada pela presença de muitos candidatos, entre eles, personalidades conhecidas até hoje, como Silvio Santos (que teve a candidatura impugnada por irregularidades), Fernando Gabeira, Leonel Brizola e Ulysses Guimarães. No entanto, os nomes que mais se destacavam entre todos eram os de Lula, que construiu uma trajetória política a partir do movimento sindicalista do fim do Regime Militar, e o de Fernando Collor de Mello, governador do estado do Alagoas, e até então figura pouco conhecida em todo o resto do país.

Collor saiu da obscuridade política para se tornar um dos candidatos preferidos ao cargo de presidente através de uma propaganda política agressiva e radical. Lançava mão de sua idade — muito mais jovem que os demais candidatos — para vender a ideia de que era um político diferente dos demais. O seu mote era o de que acabaria com a corrupção que já havia se consolidado nos primeiros anos da Nova República. Autointitulou-se o “Caçador de Marajás”, um slogan que, apesar de soar cafona nos dias de hoje, cativou muitos brasileiros à época.

Desta forma, superando os demais presidenciáveis, Collor alcançou o segundo turno e o disputaria com Lula, que devido a sua popularidade, já era esperado como candidato na segunda rodada de votações.

Cartazes de propaganda eleitoral de Lula e Collor para as eleições de 1989.

Durante a propaganda eleitoral do entremeio, os números indicavam um empate técnico entre Collor e Lula. A disputa estava equilibrada e até as vésperas da votação de segundo turno, o lado vitorioso permanecia uma incógnita. Neste contexto, os debates televisionados adquiriram um papel relevante, pois, supostamente, seriam espaços onde os candidatos poderiam expor e discutir suas propostas de governo ante uma mediação imparcial das emissoras a fim de angariar os votos necessários à presidência.

O último debate, transmitido pela Rede Globo, foi o mais determinante e polêmico. Faltavam poucos dias para o pleito e, mais uma vez, Collor e Lula estavam frente a frente. No confronto anterior, também promovido pela emissora, Lula claramente havia superado Collor. No segundo debate, o cenário mudou e o desempenho de Lula foi inferior ao do governador alagoano.

É então que, especula-se, a mão invisível da emissora surgiu para influenciar o resultado do segundo turno. Na antevéspera da votação, a Rede Globo publicou, em dois de seus jornais, resumos com os “melhores” momentos do debate. O primeiro foi ao ar no Jornal Hoje e era mais equilibrado, tanto em tempo quanto na seleção das falas dos candidatos.

Entretanto, dando muito mais destaque para os momentos de eloquência de Collor, Lula foi apresentado durante todo o segundo resumo, veiculado no Jornal Nacional, em seus piores momentos, reforçando, assim, uma imagem de alguém incapaz de assumir a presidência.

Após o resumo, que durou aproximadamente seis minutos, o âncora Sid Moreira ainda apresentou os resultados de uma pesquisa feita por telefone onde os eleitores apontavam o vencedor do debate em uma série de fatores. Evidentemente, Collor venceu em todos os quesitos. O detalhe é que a empresa responsável pela pesquisa em questão também era responsável pela publicidade de Collor ao longo de toda a sua campanha.

Lula e Collor durante o último debate televisionado antes do segundo turno. Segundo Boni, ex-Diretor Geral da Rede Globo, a gravata desarrumada de Collor, bem como as gotas de glicerina que simulavam suor, faziam parte de uma estratégia elaborada pela emissora e a assessoria do candidato para aproximá-lo de uma figura de “homem do povo”. Boni também afirmou, em entrevista ao programa Dossiê do canal Globo News (26/11/2011), que as pastas com supostas denúncias contra Lula que Collor ostentava, eram um simulacro.

O desfecho das eleições presidenciais de 1989 é conhecido: Collor foi eleito com 53,03% dos votos, uma vitória apertada contra Lula. Apenas dois anos depois, o mesmo Collor, “Caçador de Marajás”, renunciaria à presidência e sofreria um processo de impeachment por estar envolto a um mar de corrupção.

Não é possível dizer qual seria o resultado de 1989 caso a Rede Globo não tivesse veiculado o resumo do debate e a pesquisa de opinião dos eleitores. No entanto, para além do próprio desfecho, as atitudes tomadas pela emissora rendem discussões acaloradas sobre a ética jornalística.

É possível resumir em seis minutos um debate que durou mais de duas horas e ainda assim ser imparcial? É possível a uma emissora selecionar as “melhores falas” de cada candidato sem que, voluntária ou involuntariamente, um dos dois acabe por se destacar? Qual o impacto de um resumo deste na antevéspera de uma eleição? E a validade de uma pesquisa telefônica tão vaga, mas que ainda assim possui um grande poder de influenciar a opinião pública?

As eleições presidenciais de 1989 demonstram a capacidade que os meios de comunicação de massa possuem de influenciar a agenda de toda uma nação. Quando a ascensão de um novo presidente é, muito em parte, determinada pela imprensa, fica evidente que até mesmo o futuro político e econômico de um país pode ser condicionado pelo grande poder concentrado nas mãos de poucos senhores da comunicação.

Observatório de Mídia

Atividade laboratorial coordenada pelo professor Pedro Santoro Zambon e realizada pelos alunos de Deontologia do Jornalismo do segundo ano da Unesp

Vinícius Gálico

Written by

Observatório de Mídia

Atividade laboratorial coordenada pelo professor Pedro Santoro Zambon e realizada pelos alunos de Deontologia do Jornalismo do segundo ano da Unesp

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade