Trabalho Remoto não é Home Office

E ai galera ou olá mundo! Esse é o primeiro de uma série de posts em português para compartilhar como trabalhamos com um time distribuído em várias cidades. Que ferramentas utilizamos, quais processos adotamos e quais são os nosso hábitos cruciais para fazer isso acontecer.


O Startaê nasceu remoto. Esse tipo de trabalho está na essência de como fazemos as coisas.

Quando criamos o nosso time decidimos que queríamos trabalhar com pessoas e empresas incríveis, independentemente da sua localização.

Hoje nós somos um time de 11 pessoas com sede em Brasília, mas temos pessoas em vários estados do Brasil e clientes de vários lugares do mundo.

Para falar de trabalho remoto e times distribuídos é importante começar fazendo uma distinção. Trabalho remoto não é sinônimo de Home Office. Hoje, quando se fala de trabalho remoto, é bem comum a imagem da pessoa sozinha, em casa, sentada na frente do computador, trabalhando de pijama. Acreditamos que essa imagem não seja realista.

Primeiro, porque trabalhar remoto é a liberdade de trabalhar de onde você se sente mais produtivo. Pode ser de casa, mas também pode ser de um café, de um coworking, de uma chácara ou até mesmo de um apê alugado pelo Airbnb no Alaska. E já vimos situações parecidas a todas essas acontecerem no Startaê. Não existe uma regra. Nesse cenário, o escritório é só um apoio.

Apoio no sentido de que você pode estar lá, mas não precisa. Se você quiser um local confortável, com salas de conferência, quadros brancos, uma boa mesa e café, eles estão lá disponíveis. Mas como o essencial mesmo são um notebook, um fone de ouvido e uma boa internet, fica ao seu critério decidir.

Segundo, porque na maior parte das vezes você não trabalha sozinho. Você trabalha com alguém ou para alguém. Nesse sentido, saber se comunicar (ASAP x ASYNC, vamos falar disso mais para frente) e se fazer presente são extremamente importantes.

Aliás, fazer distinção entre “presente” e remoto não tem sentido nenhum. Afinal, presença tem muito mais a ver com a maneira como você se expressa e se coloca do que estar fisicamente ao lado da pessoa. Por conta dessa conotação estamos tentando até usar menos a palavra “remoto”, quando nos referimos as pessoas, e nos definir mais como um time distribuído.

O trabalho remoto é muito mais que o home office e ele abre um mundo de possibilidades. Por mais que isso pareça um sonho, existem muitos desafios envolvidos. Mas todos eles podem ser superados se você aprender como agir e encarar todos os lados do trabalho de fato remotamente.


Fique ligado porque esse é só o primeiro de muitos posts sobre como nós construímos uma relação com nosso trabalho, nosso time e nossos clientes aqui no Startaê. Até a próxima!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Victoria Haidamus’s story.