Abra os olhos para dentro de si, se tiver coragem

“Precisamos resolver nossos monstros secretos, nossas feridas clandestinas, nossa insanidade oculta. Não podemos nunca esquecer que os sonhos, a motivação, o desejo de ser livre nos ajudam a superar esses monstros, vencê-los e utilizá-los como servos da nossa inteligência. Não tenha medo da dor, tenha medo de não enfrentá-la, criticá-la, usá-la.”

Cuidado ao tentar olhar para dentro de si. Se não souber fazer isso direito, é melhor não tentar. Mas se tiver coragem e confiança o suficiente, faça, por favor. Pegue seus dias vagos, essas tardes vazias e ociosas, aproveite o duro e também incrível privilégio da vadiagem, essa que eu e mais não sei quantos milhões de jovens brasileiros desempregados estão podendo desfrutar, e tire-as para poder tomar conta de si. Quem é você, quantos você é e o que de importante realmente pretende fazer nesta vida. Afinal, sobre estas questões, quando realmente vamos ter tempo para pensar?

Pois já sei que para isso é necessária uma dedicação em tempo integral. Oito horas por dia, para reverter a lógica do trabalho. Se for ainda muito jovem, de classe média, com condições dignas de, por um tempo, não precisar se preocupar em gerir renda e não precisar ter um superior supervisionado suas ações e tomando oito horas do seu dia, caia um pouco na vadiagem. A perambulação sem sentido e de nenhuma função social pode te servir como trampolim para o mergulho na introspecção, no que talvez, prévio a qualquer coisa, seja o primordial na vida de um humano: a consciência de saber de si, as investigações e análise sobre si e só feita por si mesmo.

Aproveite bem teu desemprego e transforme os dias de aflição e desesperança numa produção de força própria, que nasce dentro de si, através do esforçoso e corajoso exercício . Em vez da empresa, do cliente, do patrão, trabalhe, nem que seja por algumas míseras semanas, apenas em função de você. (Esqueça um pouco em contribuir para a sociedade: dedique-se a entender ela antes de começar a trabalhar junto com ela.)

Sobre teus traumas, teus medos, tuas angústias; tuas alegrias, teu gozo, tua redenção: deve aprender e ter coragem para conhecê-los bem e deles saber dominar e se aproveitar.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Felipe Moreno’s story.