A Quiet Place Part II — A Mestria do Som no Terror: Parte 2

Ivo Nunes
Ivo Nunes
May 26 · 4 min read

★★★★☆

Após mais de um ano de adiamentos e entusiasmo geral para a sequela de uma das melhores obras de terror moderno, A Quiet Place Part II finalmente estreia em Portugal, com John Kransinski de regresso como argumentista e realizador.

A Quiet Place Part II traz-nos mais de tudo aquilo que adorámos no original, com detalhes e adições que dão à segunda parte a sua própria identidade, mas que podia muito bem seguir colada à primeira, como se um único filme.

Antes de retomar, a partir dos eventos finais de A Quiet Place, Kransinski transporta-nos para o dia 1 do apocalipse, onde suspende a banda sonora para podermos apreciar pessoas a falar e a viverem naturalmente, em harmonia.

Numa pequena cidade nos Estados Unidos, Lee Abbott (John Kransinski) prepara-se para se reunir com a sua família para assistir a um jogo de basebol do seu filho Marcus (Noah Jupe) quando uma espécie de clarão de fumo e fogo cai do céu, não demorando muito até assistirmos a uma explosão frenética de gritos e chacina que se prolonga deliciosamente por uns valentes minutos.

Esta introdução além de narrativamente inteligente, é impecavelmente executada, com extensos travellings que acompanham as personagens e que abrem o plano, deixando-lhes pouco espaço para escaparem dentro do frame, e abre portas para a utilização minuciosa do som, estabelecendo um paralelo entro o mundo normal e o mundo pós-apocalíptico silencioso.

Após a sequência de abertura, as cores vivas e quentes que iluminaram os planos escurecem e tornam-se frias, com Evelyn (Emily Blunt) e os seus 3 filhos a abandonarem a quinta, no rescaldo do épico confronto com os horripilantes monstros cegos, enfrentando agora o desafio do desconhecido.

Sem recursos e exaustos, rapidamente se colocam numa situação de perigo, com um novo uso criativo do som numa brilhante e aterradora cena que nos deixa com o coração nas mãos, mas que será ocultada para manter o efeito de surpresa ao leitor que não viu o filme. Em perigo, a família de Evelyn é salva por Emmett, interpretado por Cillian Murphy, cujos refundidos aposentos e linguagem corporal revela um homem dominado pelo luto e desespero.

Lá, Regan, a filha de Evelyn, decifra a localização de frequências que surgem recorrentemente na rádio, e decide partir numa jornada para ajudar outras pessoas a defenderem-se contra os monstros que amaldiçoam o mundo, agora que já sabe como os enfrentar.

Cillian Murphy como Emmett

Esta decisão define o tipo de história de A Quiet Place Part II, que se transforma de um conto de família e sobrevivência para um de crescimento, redenção e heroísmo, com Regan a assumir o assento principal.

Millicent Simmonds (Regan) é grandiosa neste filme (tal como todo o restante elenco) e uma boa escolha para a vanguarda da ação, pois não só é uma personagem bem desenvolvida e adorável, como também a sua condição física permite criar diferentes perspetivas e dinâmicas, com a equipa de som de Erik Aadahl, Ethan Van der Ryn, com Brandon Proctor na mistura, a fazer um brilharete digno de um segundo Óscar — aqui, o trabalho de montagem e mistura de som é de altíssimo nível e um perfeito estudo de caso para estudantes de cinema!

Além do som, da montagem, da excelente e intensa performance de todos os atores, uma componente que merece grande destaque é, sem dúvida, a realização de John Krasinski, detalhada, meticulosa, e deveras impressionante. Krasinski sabe exatamente como criar grandes momentos e em grande escala, mas nunca se esquece de centrar as suas personagens na cena e de colocar a ação a partir da perspetiva das mesmas, que é algo fácil de cair no esquecimento em monster movies.

Há uma tensão constante em cada frame, os jump scares são efetivos e recorrentes, e o filme não se prolonga demasiado nem tenta ser algo que não é — há um sentido de urgência e ansiedade que mantém os riscos em elevados níveis.

A Quiet Place Part II é uma sólida sequela, o que não é tarefa fácil considerando o sucesso do seu antecessor, e alarga o Universo em que as personagens vivem, dedicando um tempo considerável ao desenvolvimento das mesmas. No entanto, e não por culpa sua, como é maldição para a maioria das sequelas, especialmente no terror, não é exatamente um filme groundbreaking para o género, preferindo ampliar o que resultou no original.

Esta abordagem trás vantagens e consequências. Por um lado, e como já mencionado, não arrisca por caminhos que comprometem a mitologia, mas ao tentar ampliar o que resultou previamente, Krasinski acaba por se deixar recorrer muitas vezes a banda sonora para intensificar a ação, e cai em algumas das convenções do cinema de terror a que já estamos tão habituados.

Ainda assim, e para todos os efeitos, A Quiet Place Part II é uma excelente sequela que nos mantém colados ao assento a todos os momentos, e que deixa portas abertas para uma terceira parte.

Segue o trailer de A Quiet Place Part II.

oitobits

Entretenimento e Tecnologia

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store