Análise a ‘Mank’

Image for post
Image for post

★★★★☆

Mank era a alcunha — e diminutivo — de Herman J. Mankiewicz, um génio problemático, um escritor cujo brilhantismo era alimentado pelo sucessivo álcool ingerido, bem pela visão mordaz da indústria cinematográfica e sensacionalismo mediático. Para muitos, o nome poderá não ser familiar. Para mim também não o era, até descobrir que a Netflix iria estrear um filme biográfico sobre um dos argumentistas de Citizen Kane, por muitos considerado a melhor obra cinéfila de todos os tempos.

Baseado num argumento escrito pelo seu pai, Jack, Mank é o novo trabalho de David Fincher. Trata-se de mais uma clara filiação sua à Netflix, plataforma onde está disponível para visualização, após ter produzido a série Mindhunter, cujo futuro parece estar cada vez mais incerto. Não obstante esse facto, o já aclamado realizador americano foge um pouco da linha das suas obras para prestar uma homenagem à época d’ouro de Hollywood e revisitar os bastidores da pré-produção da obra realizada e interpretada por Orson Welles, dando vida a um projecto que durante vinte anos nunca chegou a ver a luz do dia.

Filmado totalmente a preto e branco, Fincher procura envolver-nos numa América de duas faces. A primeira, atingida pela Grande Depressão, onde o entretenimento e ludicidade da Sétima Arte contornavam os efeitos da crise, mas cruzavam-se com a preocupação em manter o comunismo afastado do país. A outra, durante os primeiros anos da Segunda Grande Guerra, coincidindo com o auge de Mank, uma pessoa mais céptica e cínica, que o levaram a tomar inspiração para desenvolver o trabalho com o qual obteve maior reconhecimento. A narrativa decorre, assim, em torno de flashbacks durante a década de 30, alternando com o período onde Mankiewicz compôs o argumento de Citizen Kane.

Image for post
Image for post

A utilização desta técnica parece ser tudo menos inocente tendo em conta as semelhanças com a estrutura do filme de Orson Welles — um enredo não linear. Assenta que nem uma luva para ilustrar a progressão do protagonista, facilitando a compreensão do público sobre os motivos que influenciaram Mank (Gary Oldman) na elaboração do seu roteiro. Durante cerca de dez anos, o escritor alimenta-se da arrogância, convenção e politiquismo americano para lançar um olhar crítico e cáustico ao que a riqueza e excesso de poder fazem até ao mais inocente dos indivíduos — originando o argumento de Citizen Kane. Numa forma mais convencional provavelmente Fincher não conseguiria agarrar a audiência da maneira pretendida a priori, tendo em conta o volume de informação a depreender durante as mais de duas horas de sessão.

Esta dualidade periódica salienta igualmente o desenvolvimento das restantes personagens secundárias, como a actriz Marion Davies (Amanda Seyfried), o magnata William Randolph Hearst (Charles Dance) ou a sua secretária Rita Alexander (Lily Collins), também elas chaves para moldarem Mank como uma espécie “génio-céptico-alcoólico” em busca de uma redenção — embora não aos olhos dos outros. Um dos pontos interessantes da narrativa assenta na forma como o argumentista procura redimir-se de si próprio, provar o seu brilhantismo a si próprio, mostrar não ter perdido as suas capacidades a si próprio.

Image for post
Image for post

Não posso afirmar com certezas se a ilustração de Mank dignifica a sua imagem e a representação da pessoa que foi — confesso ainda não conhecer grande parte da sua obra, nem como se relacionava no meio da indústria. Porém, malgrado algumas obscenidades e atitudes reprováveis incluídas no filme, fica a sensação de ter realmente alcançado essa paz interior que tanto desejava no início da estória. Fica a ressalva dos elogios da crítica sobre a precisão histórica e de algumas personagens.

Para terminar, é impossível não mencionar as performances individuais de Gary Oldman ou Amanda Seyfried (provavelmente candidatos à nomeação de um Óscar na atípica celebração em Abril de 2021), assim como a banda sonora, fotografia e guarda-roupa. O objectivo de David Fincher não passaria por emular Citizen Kane, nem outras célebres produções da década de 30 e 40. Porém, este olhar sobre os bastidores da obra leva-nos, inevitavelmente, a sentir transportados para a era dourada de Hollywood, bem como levar-nos a crer estarmos a assistir não um filme de época, mas sim um filme realizado na década em questão. Divertido, bem escrito e interpretado, Mank pode ser apreciado por todos, desde quem procure entretenimento aos ávidos adeptos da Sétima Arte. Julgo estarmos perante um clássico… sobre um clássico.

oitobits

Entretenimento e Tecnologia

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store