Análise a ‘Sound of Metal’

Image for post
Image for post

★★★★★

O que acontece quando o teu trabalho requer apurados níveis de audição mas, de um momento para o outro, deixas de ouvir qualquer barulho e mais algum? Pois, é esta a premissa na qual assenta o filme Sound of Metal, realizado pelo relativamente desconhecido Darius Marder e brilhantemente protagonizado por Riz Ahmed, disponível no catálogo da Amazon Prime.

Numa recente entrevista, Marder relata a longa espera de cerca de 13 anos desde o surgimento das primeiras ideias até ao corolário das gravações da obra. Foi quase uma década e meia de desafios para garantir o desenvolvimento do filme, onde a ambição do realizador chegou inclusivé a ser posta em causa, quase levando à desistência do projecto. Porém, por mais que o convencessem de contrário, Marder lutou contra tudo e todos, nunca desistindo até concluir o seu sonho. Por mais escaramuças nas quais participou, estas culminaram em, provavelmente, um dos melhores trabalhos independentes do ano.

Image for post
Image for post

A abordagem da temática da surdez em Sound of Metal é, tal como também aparenta o seu criador, bastante arrojada. Foca-se no caminho percorrido por um baterista a procurar lidar com a sua crescente perda de audição, impedido de garantir o seu sustento para uma vida já ela demasiado atribulada. Pois, além de ter de saber aceitar a sua incapacidade, Ruben Stone (Ahmed) também enfrenta a necessidade de manter-se sóbrio após ter saído de uma clínica de reabilitação por consumo de drogas.

Embora visivelmente recuperado, Ruben é colocado numa comunidade de ex-viciados surdos pela sua namorada e também vocalista, Lou (Olivia Cooke), como forma de prevenção e de adaptação à sua nova realidade. Aqui, o filme dá-nos a entender estar longe de querer representar a perda de audição ou surdez como deficiências, mas sim como uma característica marcante de um indivíduo. É com este mantra em mente que as actividades deste grupo decorrem no dia-a-dia. Ademais, todas as personagens presentes neste campo — exceptuando, claro está, a de Riz Ahmed — são surdas por natureza, adicionando algumas camadas de realismo a Sound of Metal, para além de lhe carimbarem com uma marca de inclusividade e relevância social.

Todavia, o mais considerável é o percurso do protagonista. Não se denota uma clara evolução usual dos filmes genéricos de Hollywood, onde este aprenderia a viver com a sua surdez e acabaria por conquistar uma paz interior ou um feito hercúleo fomentado pela força da sua limitação. Pelo contrário, Ruben mantém-se convicto de se tratar de um obstáculo temporário e recuperará a sua audição após colocar um (caríssimo) implante coclear. Por mais que o demovam dessa ideia, por mais que comece a sentir-se incluído na comunidade, a meta está traçada e todos os esforços de Ruben estão virados para concretizar esse fim.

Image for post
Image for post

Decerto que o protagonista sofre e passa por desconfortos até poder encontrar o nirvana da sua condição. Mas, ao contrário do que se pensaria, não acaba por retomar a vida normal que tanto ambicionava, nem olha com desdém para a possibilidade de vir a ser conotado como um deficiente. O desenvolvimento de Ruben sofre vários contratempos imprescindíveis para moldarem um desfecho onde este encontra paz com a sua surdez e perde-se na calma do seu agora mundo silencioso. A originalidade moral de Sound of Metal permite traçar uma viagem com objectivos muito semelhantes a outras estórias — mas graças aos seu toque personalizado, permite oferecer uma narrativa verossímil e altamente ressonante.

Comandado pelo melhor Riz Ahmed a interpretar uma personagem com a qual rapidamente nos entrelaçamos, Sound of Metal é um dos destaques desta atípica e habitualmente agitada época cinematográfica. Trata-se de mais um certificado de qualidade do cinema independente — e que há uma pletora de talentos espalhados pela indústria à espera do momento certo para se destacarem. Se há filme a recomendar para este final de ano, então que seja Sound of Metal.

oitobits

Entretenimento e Tecnologia

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store