Análise a Words On Bathroom Walls

Kuro Lilie
Jan 16 · 6 min read
Image for post
Image for post

Adam, um adolescente diagnosticado com esquizofrenia, tenta lidar com os efeitos colaterais do seu distúrbio psicológico enquanto tenta ser um “adolescente normal”.

Visão geral:
Um drama romântico com uma grande dose de psicologia, com quase 2h, adequado para maiores de 13 anos, no entanto, devido á sua complexidade será mais indicado para espectadores acima dos 15 anos. É um filme adequado para os tempos de hoje tendo em conta a percentagem de pessoas que descobriram que têm algum tipo de distúrbio mental nelas mesmas ou em familiares/amigos. Ainda não existem muitos filmes com esta temática e com este nível educacional sobre esquizofrenia a um ponto de se tornar leve…será bom para variar do normal romance que se vê no dia a dia. Serve para mostrar alguns aspetos do distúrbio e de como normalmente a pessoa tem que lidar com ele…uma tentativa de “dissolver o estigma”.

Image for post
Image for post

Análise narrativa:
O produtor deste filme, Thor Freudenthal, é conhecido pelo filme Percy Jackson: Sea of Monsters e alguns episódios das séries Arrow, Supergirl e The Flash.
Este filme foi baseado no livro de Julia Walton com o mesmo nome. Normalmente esta escritora, ainda com poucos livros, tem interesse em escrever ficções sobre personagens que se debatem com distúrbios psicológicos. Nick Naveda fez a adaptação do livro para filme.
A nível formal, este filme é nos apresentado como uma espécie de documentário ficcional em que a personagem principal é o narrador. É um filme com uma narrativa simples, mas que contém alguns saltos no tempo (flashbacks) que são usados para mostrar o inicio da descoberta do problema…uma espécie de recapitulação. Tem um final fechado e com um toque de esperança…algo que faz todo o sentido…a ideia deste filme é dar a mostrar á sociedade que as pessoas com esquizofrenia não são “malucas” e estam cansadas de serem tratadas dessa forma…e todos sabemos que quando somos julgados por algo que não conseguimos controlar, nós tendemos a fecharmo-nos mais e a tentar esconder o problema porque achamos que ninguém nos vai compreender.
Temos que ter em conta que estamos perante uma ficção…muito romantizada e que não representa todas as pessoas com este distúrbio…muitos deles não têm vozes amigáveis (quase como diferentes facetas), a sua maioria só tem a voz “inimiga” que os tenta deitar abaixo todo o tempo…assim como as ilusões que a personagem tem, que são obviamente criações da sua mente…algumas pessoas têm ilusões que não conseguem perceber que são de facto ilusões…no entanto é um bom começo de apresentação do problema de forma mais leve.
A nível de como “o tratamento” funciona está bastante realista…todas as complicações que se podem ter, todas as dificuldades em encontrar um medicamento que funcione e que se mantenha estável por mais de 3 meses. A nível mental, Adam está bastante bem representado, toda a sua complexidade, paranoia envolvida e questões existenciais…assim como o seu medo de ser julgado e todas as estratégias para tentar parecer normal aos olhos das outras pessoas.

Image for post
Image for post

Análise ao som/música e imagem:
Cinematografia por Michael Goi, conhecido por filmes de terror e suspanse…algo que ajuda nas partes psicologicamente mais pesadas e especialmente nas partes mais assustadoras em que a personagem começa a alucinar.
Andrew Hollander é o co-compositor, sendo provavelmente mais conhecido pelo filme My Friend Dahmer, sendo este também um filme psicologicamente pesado.
A música de fundo do filme é de género de suspanse minimalista e progressivo…no entanto em alturas com mais adrenalina temos um género mais eletrónico…acompanha bem a ação e não há nada demasiado alto ou demasiado baixo. Temos também efeitos especiais sonoros usados para enriquecer o universo mental de Adam.
A nível de imagem temos uma imagem de tom mais quente com a predominância dos tons pastel/bege e verde menta…temos uma imagem cuidada, com atenção aos detalhes e respeitando os padrões cinematográficos…a imagem está ao nível de imagem de festival pela qualidade de imagem, no entanto os enquadramentos e movimentos de câmara estam ao nível dos filmes comerciais sem grandes inovações. Temos também a presença de alguns efeitos especiais visuais que estam bastante bons para um filme que é realizado sem grandes companhias cinematográficas.
A nível gráfico acompanha o título, as letras são mostradas como “palavras nas paredes dos WC’s”…isto é algo que vem a acontecer cada vez mais, uma espécie de ligação entre a letra e a imagem para que o espectador relacione as duas quase como uma imagem de marca.

Image for post
Image for post

Personagens:
Não é um filme que tenha muitas personagens, tudo é muito centrado em Adam (a personagem principal).
A nível de cast não temos atores/atrizes muito conhecidos nos grandes ecrãs, no entanto isso não os impede de serem bons no que fazem…e isso é algo que se vai ver neste filme.
Algo que temos que perceber primeiro de tudo é que Adam não é o “modelo de pessoa” que tem esquizofrenia…o que mais vemos são pessoas sedadas a um nível extremo e pessoas que beberam 5 cafés e tomaram algum tipo de droga…e todos sabemos que ter uma personagem inconsistente como essa não nos ajudaria a criam uma ligação com ela e iria pôr o filme em xeque. Cada pessoa tem sintomas diferentes, cada pessoa reage de forma diferente aos medicamentos, cada pessoa tem o seu tipo de intensidade de distúrbio ou outros distúrbios que a acompanham.
A personagem que nos tentam mostrar é alguém que se debate com o seu distúrbio…e depois com os efeitos secundários dos medicamentos…inicialmente sem esperança, depois estável mentalmente (a fase em que os medicamentos funcionam) e no final deprimido porque as coisas não funcionam permanentemente. Dão uma versão mais animada, cómica até…e de certa maneira mais estável…alguém que sabe o que quer para o seu futuro e que consegue arranjar força para lutar.
A nível de linguagem/expressão corporal/facial/vocal, o ator que dá vida a Adam fez um trabalho extraordinário, conseguimos sentir o cansaço mental e físico, o stress, o desconforto, a confusão e a timidez.
Falando agora das outras personagens neste filme…mais uma vez temos uma romantização e um positivismo que normalmente não acontece, porque o nível de complexidade e dificuldade de viver com alguém com este tipo de distúrbio pode criar bastantes confusões e mal entendidos, a ponto de a família precisar de terapia também para poder lidar melhor com a situação.

Image for post
Image for post

Opinião final:
É um bom filme para amantes de psicologia, mas temos que ter em conta que é uma ficção e não um documentário…para este tipo de espectadores com este gosto particular não será de todo uma perda de tempo.
Dá-nos uma ideia de como é viver com esquizofrenia, acaba por ser bastante educativo e pode ajudar a perceber melhor o que se passa com alguém que tenha este tipo de distúrbio psicológico.
É bom para se ver sozinho ou com alguém…não será um tipo de filme que se veja tão facilmente com a família ou amigos…mas pode sempre haver essa possibilidade em certos casos com determinados espectadores.

oitobits

Entretenimento e Tecnologia

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store