Em 2018, a área de produto vai receber a atenção que merece

As ideias mais inovadoras devem vir dos novos negócios digitais

rafaelsbarai
Dec 11, 2017 · 5 min read

A metáfora da criação de produtos para buscar receita incremental no Jornalismo é resumida à história da conexão de internet: enquanto companhias de tecnologia caminham a passos de altíssima velocidade, conquistando cada vez mais espaço (virtual e dos negócios), as publicações — que deveriam pensar em tecnologia constantemente — se arriscam por movimentos lentos, similares a uma conexão discada.

Com o lema de fornecer comodidade por meio de tecnologia, a Apple bateu recorde de receita no terceiro trimestre de 2017, com 16% vindo de serviços (Apple Music, Care, Pay, App Store, entre outros), a segunda maior fonte — mais do que a venda de iPads, Apple Watchs e outros aparelhos. Mas as empresas de mídia parecem ouvir pouco do barulho que a gigante da tecnologia faz no universo dos negócios. A história precisa — e deve — ser diferente em 2018.

Clayton M. Christensen, professor de Administração da Universidade de Harvard, nos ensina que “as empresas estabelecidas tendem a ser boas na melhoria do que elas vêm realizando bem durante longo tempo e que as empresas estreantes parecem adequadas para explorar radicalmente as novas tecnologias”. A obra "O Dilema da Inovação: Quando as Novas Tecnologias Levam Empresas ao Fracasso", escrita em 1997, faz sentido no cenário brasileiro: é dos novos negócios que devem surgir as ideias mais promissoras em 2018. O movimento deve ser mais tímido entre as grandes empresas de mídia. Isto porque os nativos digitais apostam fortemente em inovação e operam com uma lógica de experimentação rápida, segundo a qual apenas ideias que logo se mostram promissoras recebem mais investimentos. Exemplos não faltam: Jota, Poder360, Brio, Lupa e Nexo.

Concebido em 2014, o Jota é um dos símbolos de como é possível criar projetos jornalísticos que solucionam uma necessidade de mercado — no caso deles, o jurídico. Seu modelo de negócio é fatiado, principalmente, em quatro ofertas e baseado em dois valores nada desprezíveis: o cuidado com conteúdo e serviço. Seus produtos são subsidiados para públicos distintos e distribuído de acordo com o desejo de seus clientes — redes sociais, WhatsApp com informações pontuais e urgentes para rápidas tomadas de decisões, relatórios mais aprofundados para determinados clientes, entre outros.

A participação de uma área de Produto, concebida em 2017, é essencial. Diz Laura Diniz, cofundadora do Jota: “A chegada de uma gerente no núcleo (Patricia Gomes) mudou completamente nossa atuação. A Patricia tem uma real liderança multidisciplinar, que inclui responsabilidades analíticas, de aperfeiçoamento de produto e construção de novos serviços, além da responsabilidade direta dos recursos (pessoas e orçamento) da área.” No Jota, a área de produto tem o valor que merece: “Temos muitos serviços na prateleira e uma infinidade de ideias na cabeça do time. Então, precisávamos de alguém para nos ajudar a avaliar e priorizar as ideias novas”, finaliza.

Ter profissionais multidisciplinares com foco na criação de serviços e em executar missões cruciais para ampliar a comunicação entre as áreas de tecnologia, editorial e marketing é o que une dois dos negócios que melhor se adequam à nova realidade digital e financeira no exterior e devem ser inspiração para os brasileiros: The Washington Post e The New York Times. A estratégia é nobre: dar valor a um negócio, hoje, desvalorizado, e, principalmente, obter receitas alternativas e ampliar o atendimento ao consumidor final.

O caso do The New York Times é o mais representativo — um dos poucos a ser sustentado por números. Desde que lançou em dezembro de 2015 um documento para expor aos olhos do mundo suas estratégias nos anos que estavam por vir, a publicação se movimenta na tentativa de manter a excelência de seu jornalismo. Para tanto, começa a colher frutos por meio de seu robusto investimento de mais de 30 milhões de dólares ao The Wirecutter — guia que recomenda os melhores produtos a serem adquiridos que, em 2015, produziu 150 milhões de dólares de transações financeiras — e, seu coirmão, The Sweethome. Em menos de um ano, o item relativo a “outras receitas” cresceu exponencialmente, com acréscimo de 5 milhões de dólares, graças ao rendimento proveniente por suas novas estratégias, segundo relatório trimestral entregue ao mercado e visto por uma lupa por ávidos investidores em novembro.

A notícia veio acompanhada por mudanças, como o recente anúncio da expansão do The Wirecutter a outros assuntos e categorias, casos de guias especializados em bebês, animais domésticos e conselhos financeiros. Para 2018, não seria uma surpresa a replicação do modelo pela concorrência, com afiliações e divisão de receitas. Já há interessados.

Para que tais inovações virem realidade no setor nacional, é preciso o amadurecimento de dois movimentos indissociáveis: maior atenção dedicada ao público para, quem sabe, tornar esse cuidado uma moeda de negociação para a sustentação de um projeto. Assim, a área de produto ganha maior importância nas empresas de mídia. Uma das estratégias para monetizar essa atenção é o recrutamento de especialistas em comércio eletrônico, que, na prática, são profissionais que geralmente sabem ganhar dinheiro na internet.

Readequar a área de produto é um meio, portanto, de combater o excesso de ofertas gratuitas no mercado jornalístico, um problema que, conforme “O Paradoxo da Escolha”, do psicólogo Barry Schwartz, perturba a capacidade de escolha. Pior: não paga a conta. Que 2018 seja o período para refletir sobre quais formatos serão adotados aos conteúdos e pensar que é sempre possível transformá-los em serviço, assim como os desenvolvedores israelenses que conceberam o Waze — uma atividade, por essência, jornalística. Trata-se de uma tarefa da profissão com a responsabilidade do tamanho do desafio que terá pela frente: a busca agressiva por novas receitas para manter o maior e mais nobre valor do jornalismo — o de contar histórias com compromisso com a verdade.


Este texto faz parte da série O Jornalismo no Brasil em 2018. A opinião dos autores não necessariamente representa a opinião da Abraji ou do Farol Jornalismo.

O jornalismo no Brasil em 2018

rafaelsbarai

Written by

Journalist, Branded Content and Lab Manager @GloboEsporte, Business Model And Digital Journalism Professor Journalism Professor at @FAAP. Alum of@VEJA and @iG

O jornalismo no Brasil em 2018

A convite da Abraji e do Farol Jornalismo, jornalistas, pesquisadores e especialistas de diversas áreas apresentam oportunidades e desafios para o combater a desinformação e aprimorar o noticiário de interesse público.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade