Paper-Poema Econômico-Passional

Dedicado à Érica, a mulher que me faz acordar inspirado, para que nossos beijos tenham demandas e ofertas infinitas

O preço do beijo é volátil.

Gráficos e estatísticas mostram claramente as bruscas oscilações da quantidade de beijos no mundo. Porém como se é observado mercados diferentes geram preços diferentes.

Há mercados que o beijo vale um jantar pomposo, outras algumas palavras e em outros menos cristãos não valem nem a sobriedade.

Um ponto importante a ser observado no mercado de beijos é que não se tem uma moeda única de troca, pode ser dinheiro, palavras, horas de intimidades etc. este fato cria um problema de correlação entre variáveis e precificação.

Com quantos reais se compra um beijo? Com quantas palavras? Depois de quantas horas de conversa fiada?

Não se sabe os reais motivos dessas oscilações, porém alguns dos principais teóricos beijonomistas* afirmam que a quantidade de beijos no mundo é afetada diretamente por fatores exógenos. Pois o estado não tem políticas públicas para criar situações favoráveis ao desenvolvimento desde mercado que gera tanto dinheiro e tem grande participação no PIB. Há o alto preço da feira (cesta básica), os altos impostos, o caos da mobilidade urbana e além da grande quantidade de horas que deve ser trabalhas para conseguir pagar nosso bem estar básico e um possível “bem viver”. Os beijonomistas acreditam que esta na hora de termos subsídios para aumentar o beijo per capta, como por exemplo: finais de semanas com três dias, vales viagem, diminuição de tributos para empresas que liberarem seus colaboradores mais cedo para beijarem, fala-se até de bolsa-beijo para a parcela da população carente.

Uma posição diferente e que eu, particularmente compactuo, é que os beijos mais preciosos não custam caro, pois eles não podem ser comprados, eles precisam ser conquistados. eles são encontrados numa convergência de situações, momento único e espaço único, olhar único, todos apontando para um momento único.

Embora eu não tenha conhecimentos teóricos acerca do calculo da utilidade do beijo e sua cesta ótima da curva de indiferença do beijo,e nem possa refutar essas afirmações, posso afirmar que o beijo não tem utilidade.

Pois o (seu) beijo é uma necessidade.

Assim como você é necessária a mim.

*(beijo+economistas = beijonomistas, ramo da ciência econômica que estuda e analisa a produção, distribuição e consumo de beijos em mercados globalizados) : Mimo

Like what you read? Give Wladimir Farias a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.