Reprodução/Facebook oficial do Neymar

Opinião: Neymar não tem noção do seu papel. Mas a culpa não é dele

A pergunta do repórter Silvio Barsetti a Neymar, se ele era um jogador que tinha comprometimento com a seleção brasileira roubou a cena na coletiva de imprensa desta terça-feira. A resposta do melhor jogador do Brasil nos últimos cinco anos mostra que ele não tem noção do papel que representa. Mas ele é o menor dos culpados por isso.

LEIA MAIS:
Neymar dá invertida em repórter que questionou seu comprometimento: “Olha no meu olho enquanto falo”
 
Neymar sobre jogar no Flamengo: ‘Seria uma honra’

“Você tem que me cobrar em campo, mas tenho minha vida particular, tenho 24 anos, tenho minhas conquistas, minhas coisas, e sou muito tranquilo quanto a isso. Tenho meus erros, não sou perfeito”, disparou Neymar ao repórter.

“Eu tenho amigos, tenho família, por que não posso ir para a balada? Eu posso, eu vou, e não vejo problema nenhum, é minha vida particular. Dentro de campo eu sempre me entrego, tento fazer meu melhor, acabo errando, como errei muitas vezes e ainda vou errar. É normal para um ser humano. Estou aprendendo cada vez mais com meninos mais novos do que eu”, complementou.

Neymar está certo e errado na sua resposta. Está certo porque ele tem o direito de ir para onde bem entender, desde que se dedique em campo. E está errado ao não entender o papel que um jogador de sua envergadura representa. Ao não entender que, mesmo com 24 anos, ele precisa dar exemplo.

Não é o “ir para a balada” que incomoda. É a mensagem que Neymar passa ao optar por se divertir na época em que o Brasil passava por uma crise dentro de campo. Quer queira ou não, o atacante é um dos líderes da seleção brasileira. Ao escolher se divertir, passa a mensagem de que não está preocupado com um momento do futebol brasileiro.

Neymar enfrenta o mesmo problema que Ronaldo Fenômeno enfrentou no auge do sucesso. Neymar deve ser autêntico e dizer sempre o que pensa? Ou deve cumprir o papel que lhe foi imposto? Ronaldo ‘resolveu’ este problema sendo duas pessoas — uma na frente das câmeras e outra quando elas não estão ligadas.

O atacante da seleção brasileira, por sua vez, parece ainda ter escolhido a primeira opção — visto o que disse na coletiva desta terça e o desabafo que deu nas redes sociais contra os críticos que detonaram o Brasil após o fiasco da Copa América.

Neymar, aliás, deu mostras de que, quando o assunto é futebol, só costuma se importar com o que faz dentro de campo — mais nada. Vale lembrar desta frase que concedeu ao apresentador Jô Soares quando foi entrevistado por ele: “Eu não gosto de ver jogo de futebol. Ou eu jogo, ou não assisto”.

A resposta de Neymar, a meu ver, é emblemática. Simboliza uma geração que não “sente” mais o jogo. Não se abala tanto quando seu time perde como no passado. Não se preocupa em ver se o rival está jogando melhor ou pior. Só quer jogar.

Cabe ressaltar que Neymar foi muito bem pela coragem em enfrentar a (boa) pergunta espinhosa e, principalmente, por ser sincero na resposta.

Quando digo que Neymar é o menor dos culpados, é porque ele nunca achou que ganharia o dinheiro que já ganhou, ou que teria a fama que tem. Muito do que foi dado a ele foi porque o atacante é o produto perfeito do mundo do marketing. É o personagem ideal do mercado que premia quem gera dinheiro.

“Se você tivesse 24 anos, tivesse tudo que eu ganhei e tudo que eu tenho, você seria o mesmo? Só isso que te pergunto”, finalizou Neymar.

E você, seria o mesmo? De quem é a culpa?


Originally published at torcedores.com on July 27, 2016.