Etiópia

A depressão de Danakil forma uma paisagem inacreditável na Etiópia — Imagem: iStock

Os primeiros passos

O ser humano a muito anda, evolui e nunca parou. Desde seus primeiros passos na Etiópia, ele saiu das cavernas, tornou-se coletor e caçador e foi conquistar o mundo atingindo feitos inimagináveis, tanto para o bem como para o mal, até deixar criar as civilizações. E para começarmos a nossa jornada, vamos passear pela Etiópia para saber um pouco mais desse povo.

A Etiópia é rica em história, vida selvagem e tradições. Muitos ainda olham torto ao falarmos deste magnífico país lembrando das tristes imagens de fome e guerra. Felizmente isso é passado e isso tornará a viagem com muitas descobertas únicas.

A Etiópia, oficialmente República Democrática Federal da Etiópia é um dos países mais antigos do mundo.

Considerando que a maioria dos Estados africanos têm muito menos de um século de idade, a Etiópia foi um país independente continuadamente desde tempos passados. Um Estado monárquico que ocupou a maioria de sua história, a Dinastia Etíope, tem suas raízes no século X ac. Quando o continente africano foi dividido entre as potências europeias na Conferência de Berlim, a Etiópia foi um dos dois únicos países que mantiveram sua independência. A nação foi membro da Liga das Nações, e após a breve ocupação italiana, o país tornou-se membro das Nações Unidas. Quando as outras nações africanas receberam sua independência após a Segunda Guerra Mundial, muitas deles adotaram cores da bandeira da Etiópia, e Addis Ababa tornou-se a sede de várias organizações internacionais focadas na África. Em 1974, a dinastia, liderada por Haile Selassie, foi deposta. Desde então, a Etiópia foi um Estado secular com variação nos sistemas governamentais. Hoje, Addis Abeba ainda é sede da União Africana e da Comissão Econômica das Nações Unidas para a África.

Além de ser um país antigo, a Etiópia é um dos sítios de existência humana mais antigos conhecidos por cientistas de hoje em dia que estudam os traços mais antigos da humanidade; podendo potencialmente ser o lugar em que o Homo sapiens se originou. A Etiópia possui 8 Patrimônios da Humanidade. O país também tem laços históricos próximos com as três maiores religiões do mundo. A Etiópia foi um dos primeiros países cristãos no mundo, tendo oficialmente adotado-o como religião do Estado no século IV. O país ainda tem maioria cristã, porém um terço da população é muçulmana. A Etiópia é o sítio do primeiro Hégira na história islâmica e da mais antiga população muçulmana na África, em Negash.. Até os anos 1980, uma população significativa de judeus etíopes residiram na Etiópia. Além disso, o país tem, ao todo, cerca de 80 grupos étnicos diferentes hoje em dia, com o maior sendo o Oromo, seguido pelos Amhara, ambos os quais falam línguas afro-asiáticas.

A nossa viagem começa pela depressão de Afar, onde a humanidade começou a cerca de 3,2 milhões de anos. Nessa região, onde hoje seus habitantes ainda são nômades e muçulmanos, há todo um jeito particular de se praticar a religião.

Essa é a região leste da Etiópia, onde os extremos geográficos vivem lado a lado. Desde as montanhas Bale com mais de 4.300 de altura, lar do Lobo Etiope e local de temperatura amena. Mas ao descermos até 116 metros abaixo do nível do mar, chegamos na surpreendente Depressão de Danakil, lugar mais quente da Terra com uma profusão de geyseres, salares de diversas cores, uma visão única!

Nesse local também conheceremos Harar Jugol, quarta cidade mais importante do mundo islâmico e patrimônio da Humanidade, onde terá alguns dos mercados mais interessantes do mundo islâmico com suas mesquitas e especiarias.

Terá também o Vulcão Erta Ale que jorra suas lavas por dia e noite e também algumas das mais belas florestas da Africa no Bale Mountain National Park.

Na região sul, no Vale de Rift, terá um mosaico do que é o multiculturalismo da Etiópia, a sua riqueza natural até chegar no Omo Sul, um caleidóscopio único com 16 etnias que juntas vivem de acordo com suas tradições, mostrando a sua diferença nas comidas, roupas, cabelos e pinturas.

Ao norte, teremos a região mais conhecida da Etiópia, Bahi Dar, com regiões bem irrigadas pelo Rio Nilo. Por sua localização, foi o encontro dos povos subsaarianos, árabes e do Mediterrâneo onde cada um legou a região com um patrimônio cultural e histórico único, fazendo com que ela seja patrimônio da Humanidade. Foi a sede reino de rainha Sheba, onde tem algumas das maiores construções de todo o mundo antigo, alguns com mais de 10 andares de altura na região de Aksum com mais de 3000 anos de idade.

Aqui também será o local onde, supostamente, foi a casa da arca da Aliança. Por essas ligações com o cristianismo, chegaremos em Lalibela com suas incríveis igrejas e mosteiros esculpidos na rocha com a técnica “pedra cortada”, onde é chamado por muitos de a “oitava maravilha do mundo”. Partindo para Gondar, conhecemos seus lindos castelos do século XVII.

Além da parte cultural citada, há o Lago Tana, um dos maiores da Europa pontilhado de monastérios pintados por Ura Kidane Mihret e Narga Selassie. Há também o Parque Natural das Montanhas Simien onde poderá ver diversos animais em seu local autóctone como o Ibex de Walia e até escalar a mais de 4500 no pico Ras Dejen.

Por fim, imperdível ver o Nilo Azul que despenca por uma espetacular cachoeira de 45 metros de altura em um desfiladeiro comparável ao Grand Canyon.

No oeste deste incrível país, teremos as rotas pelos cafezais, produto de grande importância para cultura etíope já que eles foram os primeiros a consumir o café como conhecemos hoje e descobrirá porque o café etíope é um dos melhores do mundo. Também é o lar dos maiores animais selvagens como Elefantes, Hipopótamos e Búfalos e de uma incrível diversidade de macacos e a segunda maior migração de Antílopes da África.

Por fim, chegaremos na moderna capital Addis Abbaba, uma das cidades mais desenvolvidas do continente Africano, sede da União Africana, grandes universidades e também do fantástico Museu Nacional da Etiópia, Museu Etnográfico, antigas igrejas e mesquitas e nos arredores da cidade os santuários naturais de Menegasha e Bishoftu além do misterioso Campo Tyia Stelae onde 36 megalitos foram erguidos para marcar o túmulo de homens e mulheres enterrados em posição fetal.

Gostou? Então vamos iniciar nossa viagem

Melhor época para visitar: De outubro à janeiro

Brasileiro precisa de visto? Sim (pode ser obtido no desembarque)

Certificado Internacional de Vacina de febre amarela? Sim

Idioma: Amárico, tígrinia, somali, árabe, oromigna e guaragigna

Ouça — Qualquer coisa de Mahmoud Ahmud

Coma — Injera (pão inacreditavelmente elástico). Se tiver coragem, coma com o temível molho kai wat
Leia — The Sign and the Seal de Graham Hancock

Beba — A excelente cerveja etíope Harar, o café suave e único e a ótima mistura de sucos chamados de spris

Melhor opção de voo é com Ethiopian com saída de São Paulo (Guarulhos) voando para a capital Addis Ababa com escala em Lomé, no Togo

Hospedagem: Há todos os tipos de hospedagem na Etiópia, desde pequenas pousadas até hotéis de redes internacionais como Hilton, Ramada, Radisson, etc. No interior, há alguns resorts e guest house em todo o país.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.