Making of: Os números do programa WiFi Livre em São Paulo

O programa WiFi Livre em São Paulo foi considerado por muitas pessoas na Prefeitura como uma referência de lisura em contratos e modelo de licitação.

O Gastos Abertos buscou, assim, mostrar um panorama geral desse projeto, com os principais números e algumas visualizações interessantes.

Os dados foram obtidos de várias maneiras: no site WiFi Livre, no site da Prodam e pelo portal da Transparência (e-SIC) da Prefeitura de São Paulo, via Lei de Acesso à Informação (LAI), pelo Gastos Abertos e pelo Diário Livre, projeto da USP.

Todos os documentos pode ser encontrados aqui.

Houve alguns empecilhos com a tabela principal do site WiFi Livre, mantido pela Prodam. O arquivo .csv fornecido pelo site está desorganizado, sem colunas identificadas e sem georreferências e o Gastos Abertos teve que fazer tudo à mãobaseado nessa tabela. O site também não contém documentos importantes como edital, propostas comerciais e sobre multas aplicadas contra as fornecedoras.

Diversas informações tiveram que ser solicitadas via LAI à Prodam e à Secretaria de Serviços (SES), considerando que suas respectivas assessorias de imprensa não se dispuseram a responder diretamente as questões solicitadas pelo Gastos Abertos via e-mail. As duas entidades, no entanto, nos forneceram todas as informações solicitadas, como proposta comercial entre Prodam e SES — um documento que não foi divulgado no Diário Oficial.

Relatórios, editais e informações diversas foram coletados a partir de buscas na Internet, incluindo no site da Receita Federal, do Gastos Abertos, do Diário Livre e outros sites da Prefeitura.

O mapa foi elaborado a partir da ferramenta CartoDB, utilizando coordenadas geográficas das praças levantadas pelo Gastos Abertos a partir de pesquisa no site LatLong.

A matéria acima é uma parceria entre o Gastos Abertos e o Volt Data Lab, segunda parte do especial “Histórias do Orçamento”. O especial tem como objetivo mostrar apresentar histórias utilizando dados orçamentários da cidade de São Paulo e seus respectivos “making ofs”, isto é, o processo de elaboração das matérias, que dados foram utilizados e qual o tipo de trabalho feito para tratar as informações coletadas.

Leia mais:
História do orçamento 1:
Atrasos em repasses federais em 2015 seguram execução orçamentária de secretarias da cidade de São Paulo e seu making of.
História do orçamento 2:
Nos últimos três anos, reajustes de professores municipais de SP ficam acima da média nacional e seu making of.