Investidores, a logística é sexy!

No dia 24 de dezembro o TechCrunch postou um artigo falando sobre inovação em logística.

O que foi dito pela Catherine Shu pode ser novidade para a grande maioria, mas é vivenciado por nós diariamente. E foi muito bom ver um veículo de mídia mundial também levantando essa bandeira.

Falar sobre logística com qualquer pessoa que não seja da área é difícil, principalmente com investidores. É nítido que um país como o Brasil possui seríssimos problemas logísticos, mas daí a convencer o seu ouvinte que é possível melhorar é outra história bem diferente.

No entanto, o tópico em questão não é um problema apenas de brasileiros, e vem atraindo a atenção de gigantes como Google e Alibaba.

Logistics don’t just go round the world — it also makes the world go round.

Na logística interna de uma cidade, empresas como o Uber, Instacart e Doordash não param de inovar, principalmente no last mile delivery. Continuando nessa linha, Amazon e Walmart já estão fazendo entregas com drones.

E no modelo "Uber for trucks", Cargomatic, Convoy e Transfix brigam no mercado americano.

Logística Marítima:

Os fretes internacionais são cotados e gerenciados com tecnologias ultrapassadas, incluindo planilhas, emails e máquinas de fax. Algumas startups, como nós na Lotebox, a Flexport e a Freightos têm como objetivo otimizar e tornar essa indústria — uma das mais antigas e menos evoluídas do mundo — mais eficiente.

A Accenture no relatório Freight forwarding and logistics: What the high performers know, reafirmou tudo que nós estamos dizendo:

"Another key to growth and profitability will be the ability to analyze customers’ needs and then respond quickly with differentiated and advanced logistics solutions. That will require better IT tools to improve internal process efficiency and to generate analyses that result in deeper understanding of customers’ industries and business processes."

Rob Knigge, Partner at Accenture

E um dos principais diferenciais no futuro dessa indústria é conseguir usar a tecnologia para manter um controle “360 graus" da operação:

Important to ongoing success will be the ability to develop more “intelligent” services, more dynamic planning and increased alignment with customers’ operations and processes.

Investimento e Crescimento:

Investidores estrangeiros já perceberam a necessidade de mudança no mercado logístico e uma série de rodadas de investimento em startups estão acontecendo:

Fontes: TechCrunch, Business Insider, CrunchBase
IT’S A HARD INDUSTRY TO DISRUPT

Existe também um consenso no Vale do Silício que estamos falando de uma indústria extremamente tradicional, onde é difícil ser disruptivo. Logo, muito dinheiro tem sido injetado nas startups americanas.

E o retorno é muito positivo! Fugindo um pouco do exemplo do Uber, a Fleetmatics é uma empresa de soluções logísticas que realizou IPO na NYSE e hoje tem $1,8B de market cap.

Oportunidades:

E por aqui não é diferente: Lotebox, Shippify, Truckpad, Sontra e Carrinho em Casa são excelentes exemplos de empreendedores mudando essa indústria e sendo reconhecidos.

A busca por desempenho é o grande diferencial dessas empresas em relação ao modelos atuais, oferecendo performance e gerenciamento na cadeia logística e impactando diretamente o cliente final.

Seja realizando a logística ou fornecendo ferramentas para melhorar os processos, essas startups oferecem um mar de oportunidades para investidores dispostos a novos desafios.