Outras Vezes

Vez por outra, 
tenho surtos hipnóticos 
de efemeridade... 
me distraio com o mundano, 
mergulhando fundo 
no que não tem profundidade… 
pensando em círculos, 
perdido em pieguices 
da minha pseudo-intelectualidade.

Vez por outra, 
apelo para que a burrice 
me invada... 
que a ignorância e seus ruídos 
emudeçam minha voz 
e me deixem a mente calada… 
que me livrem das dores 
de consciência que o peso 
da razão desaba.

Vez por outra, 
me persigo investigando 
motivos para felicidade... 
cascavilho a memória 
no equívoco de me provar 
quão incertas são minhas verdades… 
me afogando na angústia 
de acreditar que o pensamento 
é a porta da insanidade.

Outras vezes,
apenas vivo um dia após outro
e mais nada...

Alieksandr Míchkin — 31.01.2001