Páginas do diário da Mad

06/08/2016

Estou e não estou sozinha, os móveis desse apartamento ganharam vida e sussurram meu nome durante a noite e quando eu menos espero. Estou e não estou sozinha, minha cabeça me apunhala com machadadas nada delicadas, seria essa a minha(nossa)? Maior falha? As palavras que não dissemos? A minha certeza de que os meus pensamentos eram fáceis de ser lidos ao mesmo tempo que eu tinha certeza que não entendia o que de fato acontecia aqui comigo(com a gente)? É isso? Eu já era memória antes mesmo de virar, e consequentemente você também.

A minha cama decidiu não me acolher mais, eu sei que pra você isso é um sinal de que talvez eu deva arrumar uma outra cama… Normalmente mudanças são assim?! Quero te ouvir sem revirar esses malditos olhos.