dieta

larga de vez a carne branca
e mergulha naquela crua
que sangra vermelha à mordida
que não se permite ser sua
que enche a boca e saliva
mas se recusa a ficar nua

mal passada é presente
o bom passado ainda é recente
e quando tudo for digerido
ao fim da janta ainda resta a gente

das sobras eu já estou farto
saco cheio e barriga vazia
borboletas mortas no estômago
anemia
dor e
azia

pra manter a memória viva
dias e meses e anos
consuma fruta madura
legumes e vegetais
evite as malditas cebolas
você já chorou demais

a coragem vem da cerveja
a morte, do cigarro
preto
café é preto
forte, quente e amargo
assim como a vida é doce
você é covarde e fraco

amor é doença certa
todo mundo teve ou vai ter
o errado é não curar
o errado é não querer