Vou dizer um segredo: Você não precisa de um crush ou “Você não consegue passar nem cinco minutos com sua própria companhia?”.

Qual foi a última vez que você se convidou pra sair?

Você, neste exato momento, deve estar olhando a foto dele. Sim, olhando o pontinho verde, ao lado do nome dele na lista de contatos da sua rede social. Pare agora. Ele não vai magicamente olhar seu inbox e te mandar uma mensagem sugestiva.

Você, com certeza, está admirando a foto dela. A garota mais linda que viu na sua vida, mesmo que sua vida tenha sido apenas um lapso. Ela é bonita, inteligente, gosta das mesmas coisas que você e não o faz parecer um idiota. Não. Ela não é perfeita.

A milhares de anos chamávamos esses alvos românticos de “peguetes”, “ficantes”, “casinhos” etc. A moda agora é chamar de “crush”, como um baque forte, uma batida que te marca e te deixa caído. Ou como eu digo, uma batida da sua cabeça com o chão. Só isso para explicar.

Crush ou Uma pessoa aleatória que você mal conhece, mas já ama pacas.

Eu vejo todos os dias as pessoas se apaixonando. Olhando fotos e nomes, desejando um dia que elas sejam notadas. Na penumbra, olham seus crushs com carinho e esperança. Uma paixão platonicamente anônima. Afinal, para que contar que você gosta dele se vai te dar um fora?

Tudo acontece online. Na praça social que são facebook, twitter ou outras redes quaisquer que surgiram a cinco segundos atrás. Uma praça cheia de murais, nas quais colocamos nossas fotos sorrindo, viagens, conquistas. Já percebeu que geralmente não se vê coisas ruins no perfil das pessoas? Ninguém bota aquela foto depois de acordar, ou um texto falando o quanto está depressiva nos últimos dias. Ninguém conta nas rede sociais sobre os fracassos e perdas. Todos gostam de enfatizar apenas seus pontos positivos, seus ganhos, suas proezas. Somos apresentados a murais pintados com tinta fresca, mas em baixo da pra ver as rachaduras e buracos no “muro”.

Por isso todos parecem tão apaixonantes na internet. Nós conhecemos apenas o melhor dos outros. Até mesmo nas conversas via inbox as pessoas gostam de enfatizar suas qualidade. Seduzem enquanto contam vantagens de sua vida, mas por trás da tela o estranho está sozinho e triste em seu quarto.

Estamos tão insatisfeitos com nossas próprias vidas que precisamos de estepes sociais. Nosso ego tem estado tão em baixa que ele precisa ser afagado por estranhos, ou nos sentimos atraídos pela felicidade que não temos em nós.

Você não consegue passar nem cinco minutos sozinho. Não consegue ser feliz e se divertir em sua própria companhia, e porque? A ultima gerações não foram ensinadas a viverem sozinhas. Vivemos num mundo onde é mais importante compartilhar do que apreciar os momentos. Não quero ser o chato contra tecnologia, mas vivencia cada vez mais um imediatismo de querer divulgar cada passo da sua rotina nas redes sociais.

Quando foi a última vez que você foi a cinema sozinho? Quando foi que apreciou uma comida que fez para si mesmo e se sentiu orgulhoso? Qual foi o último presente que comprou para si mesmo, porque conseguiu aquilo que tanto queria?

Perdemos tanto tempo querendo afeto dos outros, mas somos a melhor pessoa para fazer isso. Nós dormimos todos os dias conosco. Fazendo tudo junto com nós mesmos. A pessoa que deveríamos sempre estar apaixonados somos nós. Então quando estiver angustiado pelo crush, ou com vontade de voltar com o seu ex, olhe para o espelho. Você se ama tanto quando ama o outro?

A vida é um conjunto de parábolas. Cada curva é uma surpresa.

Uma música para ouvir durante ou após esse texto.

Like what you read? Give Victor Campos Aziago a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.