Photo credit: Lawrence OP via Foter.com / CC BY-NC-ND

Posso repetir palavras no texto?

Se Moisés fosse escritor e subisse ao Monte Sinai em busca de dez mandamentos para o bom texto, este estaria entre os primeiros:

Todo iniciante, assim que começa a trabalhar com redação jornalística, aprende esse mandamento. A função dele é clara: melhorar a qualidade do texto. Vamos ver um exemplo?

Podemos contar no trecho acima três vezes a palavra “povo”, duas vezes as palavras “monte” e “Moisés”, e mais a ocorrência de “acampamento” e “acampado”. Além do verbo “montar”, que está relacionado a “monte”.

Como resolver isso? Vamos editar a frase:

A ocorrência de “Moisés” foi resolvida com um recurso simples: o corte da palavra. Sempre que precisar eliminar uma repetição, releia a frase. Na maioria das vezes você pode cortá-la sem prejuízo da clareza do texto.

O mesmo recurso foi usado para “povo”, que foi susbstituído por “hebreus”. Note que, na mudança, o sujeito passou do singular para o plural. Lembre-se de reler a frase toda para corrigir as concordâncias verbais e nominais.

Finalmente, a palavra “monte” foi resolvida com outro recurso: a substituição por sinônimo. Na segunda frase, “monte” virou “montanha”. O verbo “montar”, porém, continua lá.

Será que dá para melhorar mais? Vamos tentar:

Que tal agora? Não temos mais “monte” nem “montaram”. E o texto continua claro.

Antes de encerrar, quero chamar a atenção para o “mandamento” novamente. Note a presença do advérbio “desnecessariamente” depois de “palavras”.

Ele está ali para evitar que você enlouqueça tentando eliminar toda repetição e caia em duas armadilhas comuns nesses casos: o uso de sinônimos estapafúrdios ou a aplicação de cortes que comprometem a clareza do texto.

Quer um exemplo concreto? O corte de “monte” do início da frase acima: “Aos pés do Monte Sinai”. Ele só funciona porque a frase se refere a uma passagem bíblica, amplamente conhecida. Se estivéssemos falando do monte das Castanheiras, por exemplo, seria melhor repetir a palavra “monte”. Porque, ao cortá-la, veja o que aconteceria: “Aos pés das Castanheiras,…”. Ou seja, A clareza estaria comprometida.

Então, respondendo à pergunta do título: o melhor é evitar as repetições. O texto fica mais elegante. Mas sim, você pode repetir palavras quando isso for necessário para a clareza do texto.

(Ferdinando Casagrande é jornalista e escritor, autor de Jornal da Tarde: Uma Ousadia que Reinventou a Imprensa Brasileira),


Originally published at www.editorexpress.com.br.