Da série Pílulas de Ásia | Textículo #02| Dia 04 entre China e Singapura.

Singapore Flyer.

Diga-me, afinal, o que é essencial?

Ganhar mais ou ter mais tempo?

Viajar ou arrastar a casa com você?

Ter tudo ou viver livre?

Ouça.

Para ganhar, é preciso perder.

Para ganhar tempo, é preciso ir a menos reuniões.

Para viajar, é preciso deixar a casa para trás.

Para viver livre, é preciso ter menos coisas.

Diga-me, afinal, o que é essencial?

Pode parecer doloroso, eu sei. Foi e continua sendo diariamente para mim. O essencialismo é o caminho da perda.

É dizer não. É lembrar do que não se precisa. É lembrar sempre onde se quer chegar. É lembrar o que realmente é importante, o que é essencial.

Se você quer viajar o mundo, de que adianta ter copos de cristal guardados?

Venda os copos.

Se você quer ter mais tempo, do que adianta trabalhar mais ao invés de trabalhar melhor?

Diga mais não.

Se você quer viver livre, de que adianta ter objetos que te prendem?

Corte as raízes.

Vendi tudo para ter menos e, consequentemente, ganhar leveza para a estrada. Mas, ainda há dias em que desejo ter mais roupas e preciso relembrar do porquê tenho poucas agora.

Repito o meu mantra todos os dias:

Eu decidi perder peso para ser livre.

Repita o mantra comigo:

Para ganhar, é preciso perder.

Seja um essencialista.

Aceite a perda para ganhar.

Quem tentar ter os dois, nunca terá nada.

Seja um essencialista.

Decida o que você quer viver.

E persiga a sua vida.

A sua vida não é igual a dos outros.

Viajando com uma mochila, você percebe o que pode carregar e o que precisa deixar para trás.

Você entende a abundância.

Entende que quando doa algo para alguém no caminho, você se doa.

E, quando faz isto com a alma toda, jamais falta o essencial.

A abundância não é um discurso bonito.

Ela é real. Mas só existe para quem vive abundância.

Passe menos tempo na mão dos teus medos. Decida ativamente o que você quer viver. Para viver coisas incríveis é preciso tomar decisões fortes.

Você quer dar a volta ao mundo?

Comece a deixar as raízes de lado.

Venda aos poucos as coisas. Presenteie as pessoas. Doe com a alma as lembranças. Faça dinheiro com as panelas. Arquitete um plano de demissão. Pense em tudo o que pode fazer lá para conseguir ficar. Veja os mapas. Escreva os planos todos os dias. Assista filmes. Leia roteiros. Compre revistas. Faça contatos. Tome cafés.

Materialize dia após dia.

Sempre vai ficar mais perto da hora de partir.

E, por último, decida o dia.

Diga-me, afinal, o que é essencial?

“E se deixássemos de exaltar tanto o valor de ter mais e de menosprezar o valor de ter menos? E se ninguém mais achasse que estar ocupado é ser importante? E se, em vez disso, comemorássemos o tempo que passamos escutando, refletindo, meditando e aproveitando a vida com as pessoas que mais importam para nós? E se mundo inteiro trocasse a busca indisciplinada por mais pela busca disciplinada por menos?”

Essentialism. Greg Mckeown. (Recomendação de leitura para você).

Instagram todo meu.