Qual a relação entre a área inovação das grandes empresas e suas Fundações ou Institutos Empresariais?

Semana passada o PeaceLabs​ participou do evento de Inovação da Bosch Curitiba, junto a um dos nossos principais clientes, o Instituto Robert Bosch. Um evento sem precedentes, que reuniu mais de 1500 funcionários e convidados especiais da Bosch Curitiba em pensar inovação, startups, intraempreendedorismo, metodologias de desenvolvimento ágil e … investimento social privado (?)

Há alguns meses, a parceria entre a equipe de inovação da Bosch Curitiba e o Instituto Robert Bosch tem se fortalecido. O fato do Instituto estar investindo e realizando projetos alinhado ao negócio e motivação da empresa, “tecnologia para a vida” - como o projeto WAAS (peacelabs.co/p/waas2017), que empodera jovens da comunidade ao redor da fábrica a desenvolver soluções tecnológicas para resolver problemas de sua escola usando eletrônica básica, programação de computador e conceitos da indústria 4.0 - tem aproximado estes dois mundos: inovação e investimento social privado.

Durante o Painel de Inovação Aberta do evento de Inovação da Bosch Curitiba, que contou com a presença das equipes de inovação de grandes empresas (Grupo Boticário, Whirlpool, Agência PUCPR, Renault e a própria Bosch) os principais questionamentos da platéia aos painelistas foi sobre a necessidade da diversidade e do desenvolvimento de novas habilidades para a inovação.

Nossa fundadora, Paloma Lecheta, acrescentou ao debate a importância do programa de voluntariado, programa de aprendizes (que incluem jovens nas empresas) e a inclusão de portandores de defeciência no dia a dia da fabrica, todos de responsabilidade do Instituto Empresarial no caso da Bosch, para termos maior diversidade e desenvolver novas habilidades junto aos nossos funcionários.

Surgiu portanto o seguinte questionamento: qual é hoje o relacionamento entre a equipe de inovação de suas empresas com seus institutos e fundações empresariais?

O trabalho conjunto do Instituto Robert Bosch e da equipe de inovação Bosch Curitiba exemplifica o potencial deste alinhamento. Um projeto co-realizado pelo Instituto WAAS e o Instituto Robert Bosch está possibilitando que três jovens em vulnerabilidade da comunidade da Vila Barigui, na Cidade Industrial de Curitiba, vão pra NASA — Agência Espacial Americana este ano por meio do Projeto WAAS, pelo desenvolvimento de um projeto tecnológico que ganhou top 5 Best Mission Concept no maior hackathon do, o NASA Space Apps Challange. Um recurso destinado a investimento social privado que está criando negócios e promovendo a inovação.

Ontem saiu um artigo no GIFE, publicado por Fábio Deboni, sobre Inovação Social e o que isso tem a ver com o Investimento Social Privado. O artigo retrata a importância de pensarmos diferente o investimento social privado, e detalha 5 frentes possíveis de atuação para Institutos e Fundações com inovação:

  1. ferramentas e metodologias em inovação social
  2. inovação em políticas públicas
  3. inovação social em modelos de negócio
  4. inovação social no/para o terceiro setor (OSCs, redes, etc)
  5. inovação social no âmbito acadêmico (universidades)

Veja o artigo completo no link: http://gife.org.br/inovacao-social-negocios-de-impacto/?utm_campaign=redegife_-_1707_-_converteu_news__agendas&utm_medium=email&utm_source=RD+Station

E a pergunta agora continua para você: Qual a relação hoje entre a equipes de inovação da sua empresas e sua Fundações ou Institutos Empresariais?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.