Avante, Vingadores!

Em romance publicado pela Novo Século, heróis da Marvel devem enfrentar cinco ataques simultâneos que ameaçam o futuro da humanidade

O universo compartilhado criado pela Marvel Studios tem se mostrado uma grande fonte de renda para a Disney, com as suas séries de TV (Agents of S.H.I.E.L.D. e Agent Carter), séries feitas para o Netflix (Demolidor e Jessica Jones ), os longas e, é claro, todo tipo de material licenciado possível; mas, os personagens da Casa das Ideias não têm ficado restritos só aos cinemas e à televisão, como se espalham pelos jogos e até pelos livros, publicados no Brasil pela Novo Século.

Ao contrário de Guerra Civil que adapta um arco das HQs para o formato de romance, Vingadores — Todos Querem Dominar o Mundo, de Dan Abnett, é um romance original, no qual o autor só pega os personagens da Marvel para criar sua própria história. Desta vez, não há só um vilão e os Vingadores são obrigados a se separarem em diferentes grupos para enfrentar cinco ameaças que podem acabar com a raça humana: em Berlim, o desenvolvimento de um patógeno pela Hidra que leva as pessoas à morte em minutos e para a qual só ela possui a cura; na Terra Selvagem, a I.M.A. espera contaminar a água ao redor do planeta com um composto nanotecnológico que fariam todos obedecer ao MODOK; em Washington, Ultron começa a se replicar indefinitivamente e está a um passo de ultrapassar a capacidade de toda a humanidade; por fim, na Sibéria ainda temos o demônio Dormammu reivindicando a Terra para si e, em Madripoor, o Alto Revolucionário começou a alterar o DNA humano para nos transformar em servos.

Sim, se a I.M.A. concretizar seu plano vamos ser submissos a uma cabeça gigante. — Imagem: Divulgação/Marvel Comics

Narrado em terceira pessoa, os capítulos intercalam entre os personagens e cada uma das situações que ameaçam o planeta, e embora se passem em diferentes locais e com diferentes personagens, a estrutura deles acaba sendo bem parecida e aos poucos as situações vão se entrelaçando e te fazem questionar o porquê todos estes vilões resolveram dominar o mundo todos de uma vez, esta que é a grande questão do livro.

O livro tem um estilo que lembra muito um quadrinho, só que sem as imagens, o que acaba tendo seus pontos positivos e negativos. Por um lado, a obra acaba sendo bem fiel a sua contraparte quadrinística e deve agradar aos fãs dos personagens que só conhecem os personagens pelos filmes, afinal, embora a maioria dos vilões ainda não tenha parecido em algum filme, os heróis são todos aqueles presentes em Era de Ultron. Entretanto, por esta aproximação ao estilo dos quadrinhos acabamos tendo detalhes que não são necessários para a trama e quebram o ritmo da obra, como descrições extensas que nos quadrinhos apareceriam nas imagens, como a do exemplo abaixo (sim, isto estava no livro).

Fez um movimento de tesoura com a ponta dos dedos para expandir a janela. A resolução era ótima.

Quanto a edição da Novo Século, ela é muito bem bonita e foi feita pensando em cada detalhe, o que a torna infinitamente superior à edição norte-americana. Começando pela capa, que foi criada pelo Will Conrad (se você não conhece o trabalho dele, recomendo esta entrevista para o Universo HQ) exclusivamente para a versão nacional, e passando pela diagramação cuidadosa que mescla a identidade visual de toda a coleção Marvel da editora com detalhes específicos para este livro, além de uma revisão que deixou escapar só alguns poucos erros.

Vingadores — Todos Querem Dominar o Mundo, de Dan Abnett, acaba sendo uma história com muita ação que lembra o formato das histórias únicas dos quadrinhos da Marvel e que é fácil de ser entendida até por quem só assistiu a um filme ou outro baseado nos personagens da Casa das Ideias e quer conhecê-los um pouco mais, além de trazer referências para quem já é fã de super-heróis.


Se você gostou do texto, não se esqueça de deixar seu ❤. :)

Show your support

Clapping shows how much you appreciated João Victor de Araujo’s story.