O terror do Império também é pai

Jeffrey Brown reimagina a infância de Luke e Leia e coloca Darth Vader para cuidar dos dois

Darth Vader é, sem sombra de dúvida, um dos maiores vilões da cultura pop, se não o maior. Mas imagine se dentro do coração do tirano, do braço direito de Palpatine, do terror do Império, do responsável pela aniquilação da Ordem Jedi, só houvesse espaço para seus dois filhos, Luke e Leia? É este o cenário que Jeffrey Brown usa para criar seus quadrinhos Darth Vader e Filho e A Princesinha de Vader, lançados lá fora entre 2012 e 2013 e que chegaram ao país em 2015 no meio da avalanche de títulos baseados em Star Wars trazidos pela Aleph.

Os dois quadrinhos brincam e misturam eventos que ocorreram ao longo de toda a saga nos cinemas, parodiando cenas icônicas, como a de Vader gritando “Noooooo!”, em situações totalmente diferentes, imitando a vida de pais comuns em uma galáxia nem tão distante. Aliás, certamente, os pais se verão bem representados aqui e os filhos notaram a similaridade bem rápido, o que torna tudo bem mais engraçado. Ainda que renovada e em situações que dificilmente veríamos no cinema, a essência dos personagens está aqui, assim como a força do cotidiano familiar que permeia os dois livros, tornando-os uma leitura divertida para qualquer um.

O traço de Brown é bonito e encanta o leitor, sendo bem detalhado quando é preciso, lotando cada quadrinho com várias referências ao universo criado por George Lucas. A ambientação das cenas remete diretamente a vários dos conhecidos cenários da franquia e ver algumas das versões criadas de personagens da franquia (apenas, Solo criança) é hilário tanto para fãs, quanto para pessoas que estão tendo o primeiro contato efetivo com Star Wars nestes livros, mesmo que não captem todas as referências, o autor soube fazer suas piadas universais e elas divertem até quem não assistiu qualquer dos episódios de SW.

A edição da Aleph em ambos os títulos está incrível. Revisão bem feita, edição em capa dura repleta de detalhes, como relevo e verniz localizado, impressão colorida de alta qualidade e papel de alta gramatura, ou seja, uma edição linda para se presentear ou dar para alguém.

Agora, vou abordar algumas particularidades de cada um dos dois livros, principalmente sobre a abordagem do relacionamento entre Vader e seus filhos.

Darth Vader e Filho

É engraçado pensar que para um cara que enfrentou ameaças maiores, ser pai de uma enérgica criança de 4 anos pode ser o seu maior desafio. Quando Vader disse emUma Nova Esperança e em O Império Contra-Ataca que a Força era forte no Luke, ele não errou, então, não é de se surpreender que o Luke de quatro anos seja hiperativo, curioso, ansioso e até meio desobediente, como boa parte das crianças com esta idade.

A relação entre Luke e Vader é antagônica nos filmes, pois ambos tomam sempre o lado oposto ao do outro, numa relação bem tensa entre pai e filho. Vê-los juntos, num universo alternativo, com Darth Vader aproveitando a infância do filho, é bonito.

Embora tenha sentido a falta de ver o crescimento de Luke, tal qual no outro livro vemos o de Leia, a relação entre o pai e o filho pequeno é apresentada cheia de nuances e deixa um gostinho com o leitor de que ele queria mais páginas para ficar com os dois.

A Princesinha de Vader

Se no outro livro acompanhamos a dificuldade de Vader em lidar com um Luke de quatro anos, aqui vemos Leia deixar de ser a princesinha de Vader para se tornar uma adolescente rebelde, mas sempre manipulando o pai a seu bel-prazer.

Destemida e impulsiva desde pequena, Leia cresce ao longo do livro e Brown sabe fazer a transição de uma garotinha pequena para a Leia prestes a entrar na vida adulta, num desenvolvimento interessante e condizente com a personagem que vemos nos filmes.

Aqui, somos apresentados não só ao crescimento de Leia, mas ao crescimento de todos nós, com situações que remetem a sua infância, adolescência e, se você for pai ou mãe, a sua paternidade ou maternidade, lembrando que até mesmo há muito tempo, em uma galáxia muito, muito distante a vida acontece.

E tem mais…

Jeffrey Brown também escreveu outras obras dentro do universo de Star Wars. A série Academia Jedi teve seu primeiro volume publicado há alguns meses pela Aleph, mas já conta com outros três livros lançados nos Estados Unidos, além do primeiro: Return of the Padawan, The Phantom Bully e The Force Sleeps. A série de quadrinhos de Darth Vader cuidando dos filhos também não acabou e teve um volume publicado por ano, o que leva que apenas dois, o de 2014 e o de 2015, não tenham sido publicados por aqui, respectivamente, Goodnight Darth Vader eDarth Vader and Friends.

Capa de “Goodnight Darth Vader”, de 2014

Darth Vader e Filho e A Princesinha de Vader, de Jeffrey Brown, são livros não-canônicos, mas essenciais na coleção de todo fã de Star Wars, seguindo aquele clássico E se?, nos fazendo imaginar um universo onde Luke, Leia e Vader não eram mais do que uma família feliz.


Se você gostou do texto, compartilhe (❤) e siga o nosso perfil no Medium para não perder os textos novos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.