Desafios do Design Brasileiro

Este não é um texto crítico, apenas um emaranhado de pensamentos sobre o cenário atual do design no Brasil.

Você, designer, provavelmente habitante de um grande centro urbano brasileiro, recebe o desafio de propor uma solução visual para algum cliente. O prazo pode ser uma tormenta caso você trabalhe em algum estúdio ou agência. E aí entra o tal do processo criativo. Nos dias de baixa inspiração — numa generalização para validar o ponto deste texto — você entra em algum site do tipo www.behance.com e busca referências para se inspirar e analisar soluções que te ajudem. Acontece que a maioria das referências encontradas nessas redes são quase sempre iguais, e isso pode ser um problema. (A curadoria do behance que nos desculpe, mas ao navegar a sessão editorial temos a sensação de estar na vitrine de mockups do envato).

O design não deveria trazer raízes do observador ao qual se destina? Gerar reconhecimento, semelhança e identificação, mesmo que subjetiva? Por que é que vemos soluções tão similares no mundo todo?

Por exemplo, imagine o natal brasileiro: calor, família reunida, férias escolares e horário de verão. Por que é que nós, designers, prestamos um desserviço social ao retratar um Natal que não é nosso em comunicações para esta data? Neve, frio, casacos e lareira passam longe da nossa realidade. Por que consideramos normal exigir de nossos observadores um contexto cultural que eles não vivenciam? Preguiça nossa? Por que é mais fácil encontrar essas referências? Por que estes são os resultados dos bancos de imagens?

Não caberia aos profissionais de comunicação perceber o universo de seus públicos e lapidar suas ideias afim de comunicar uma realidade local e genuína com a qual o observador verdadeiramente se identifique?

É certo que internet e globalização desempenham papel crucial neste processo, e existe algo realmente positivo em ver o mundo alinhando alguns pensamentos comunais, no entanto, o quanto estamos perdendo de nossas culturas locais, tradições de comunidades, por anos enraizadas e naturais para um povo específico?

Absorver outras culturas nos faz deixar de lado partes relevantes de nossas próprias identidades. Estamos olhando para fora e nos espelhando no que fazem de melhor, porém, ao negarmos nossa realidade, não estamos nos tornando melhores em nada, apenas competindo com verdades que não nos representam por inteiro. Toda essa similaridade faz com que todos percam essência.