John Hughes e as trilhas que há 30 anos fazem história

Quem viveu a adolescência na década de 1980 certamente vai se identificar com o tema desse post. Apelidado pelo crítico Roger Ebert de “filósofo da adolescência”, o diretor John Hughes (1950–2009) ficou famoso em tal década, graças ao sucesso que seus filmes faziam entre os jovens da época.

Se você se encaixa nessa faixa etária — hoje já transitando pelos 40 e poucos anos — e não está relacionando o nome à pessoa, deixe-me refrescar sua memória: lembra daqueles filmes com a ruivinha Molly Ringwald? “Talvez o melhor exemplo seja “Clube dos Cinco” (1985), com o título original “The Breakfast Club“.

Se ao ler o título do filme veio à sua cabeça a música “Don’t You Forget About Me” do Simple Minds, você acertou! Ë disso mesmo que estou falando. Pra ter uma ideia do sucesso desse filme, se você não faz parte dessa faixa etária cante um trecho dessa música para alguém que foi um adolescente oitentista. Ele se lembrará na hora e se não lembrar é porque você errou o ritmo, ou essa pessoa não tinha TV em casa e nem ia ao cinema.

Assim como Simple Minds, muitas outras bandas ganharam um considerável espaço na mídia por causa dessa linha “filminhos de Sessão da Tarde”. Em 16 Candles” (1984) (em português “Gatinhas e Gatões”), a banda de revival do rockabilly, Stray Cats, estourou com a música homônima do filme. Aliás, o longa conta com uma trilha sonora recheada de hits da época, como “Rebel Yell” do Billy Idol, a muito engraçada “Turning Japanese” do The Vapors, “Snowballed” do AC/DC, “Lenny” de Stevie Ray Vaughan e o super hit “True” do Spandau Ballet, que toca no começo do vídeo abaixo. Repare: o menino do canto esquerdo é John Cusack.

Outra banda que deu muito certo com uma música-tema de filme foi o Psychedelic Furs. Surgindo no final dos anos 70, teve sua melhor fase na década de 80. Com a música “Pretty in Pink”, eles embalaram o filme “Garota Rosa-Shocking”, de 1986. Esse não foi dirigido por John Hughes, mas roteirizado.

A trilha é repleta de bandas que não paravam de tocar nas rádios e toca-discos da época, como bons exemplos têm-se New Order, Echo and The Bunnymen, The Smiths e INXS. Mas a cena mais legal e engraçada do filme, conta com o Allan (do seriado “Two and a Half Men”) novíssimo cantando “Try a Little Tenderness” de Otis Redding, que já era considerada um clássico.

Outro filme de Hughes que virou referência é “Curtindo a Vida Adoidado”. Isso se deve quase inteiramente à famosa cena em que Ferris, personagem principal, canta “Twist and Shout” para uma multidão reunida em uma parada alemã nas ruas de Chicago, fazendo com que a clássica canção dos Beatles voltasse a tocar sem parar nas rádios norte-americanas.

As comédias românticas do diretor talvez tenham sido as que melhor retrataram o espírito dos anos 80. Regadas de conflitos, ritos de passagem e escapismo, apresentaram trilhas sonoras que contaram a história de uma geração.

Depois dessa pequena dose de cultura pop nostálgica, até desisti de ir ao cinema. Em vez disso vou ficar em casa e assistir “Clube dos Cinco” pela milésima vez ouvindo meu vinil do Simple Minds e lamentando o fato de eu ter nascido na época errada.


Originally published at www.perdidosnoar.com.br on May 21, 2012.

Like what you read? Give Julia Padovan a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.