Por que a economia brasileira não cresce?

Recuperação será muito lenta e gradual

Com variações de +0,1% em 2014, -3,8% em 2015 e -3,6% em 2016, a recuperação do crescimento (PIB) brasileiro é algo central no atual debate econômico nacional. Entretanto, tudo indica que que recuperação será muito lenta e gradual.

PIB é o somatório das rendas de todos os agentes econômicos residentes em um país num determinado período de tempo. Pela ótica da despesa, o valor do PIB é calculado a partir das despesas efetuadas pelos diversos agentes econômicos em bens e serviços para utilização final (isto é, aqueles bens e serviços que não vão servir de consumo intermediários na produção de outros bens e serviços). Nesta ótica, o PIB corresponde a:

PIB = Consumo + Investimento + Gastos + (Exportações - Importações)

Consumo das famílias: está comprometido pelo desemprego, endividamento das famílias e inflação. A inflação já cedeu bastante, o envidamento está caindo lentamente e o desemprego demorará a ceder.

Investimento das empresas: está comprometido pelo desinvestimento feito pelas estatais (caixa em baixa e altíssimo nível de endividamento), expectativas fortemente deterioradas.

Gastos do governo: com resultados fiscais declinantes, o governo em seus três níveis está sem capacidade de ampliar gastos. Os déficits primários foram R$ 32 bi em 2014, R$ 111 bi em 2015 e R$ 170 bi em 2016.

Exportações de bens e serviços - Importações de bens e serviços: está com um bom desempenho puxados pela recuperação dos preços das commodities e pela super safra agrícola. Entretanto, representam pouco no PIB e são insuficientes para recuperá-lo.

Crescimento projetado para 2017:

Fonte: http://www.economist.com/indicators (extraído em 15/05/2017)
Show your support

Clapping shows how much you appreciated Daniel Sousa’s story.