Como a tecnologia utilizada nos pneus da Fórmula 1 impactou positivamente o nosso dia a dia?

Além de ser a categoria mais célebre do automobilismo mundial, a Fórmula 1 funciona como um laboratório. Afinal, antes, durante e depois de cada prova, pilotos e suas respectivas equipes se unem em um compromisso pela melhoria contínua. Hoje, a equipe McLaren é a nossa parceira tecnológica nesse processo que envolve desde pesquisa e desenvolvimento até os testes intensivos nas condições extremas das pistas de corrida.

Nesta série de conteúdos, iniciaremos uma jornada pelo conhecimento que nos apresentará inovações tecnológicas que surgiram na Fórmula 1 e acabaram extrapolando as pistas, tornando-se indispensáveis em nosso cotidiano. Você já parou para pensar, por exemplo, que a evolução dos pneus dos carros de passeio está, em parte, relacionada a esse esporte?

Uma longa trajetória de evolução

Na década de 90, a própria McLaren fez uma aposta ousada: colocou pneus macios no lado direito, que seria mais exigido no traçado, e deixou o lado esquerdo com pneus mais duros, compensando com criatividade a desvantagem em relação aos motores das rivais da época.

Hoje, esse tipo de alternativa não é mais utilizado, uma vez que os pilotos contam com uma variedade muito mais ampla de pneus à disposição. Há hipermacios, ultramacios, supermacios, macios, médios, duros, intermediários e até os específicos para pista molhada, cada qual com seu composto feito sob medida para possibilitar o máximo de aderência em diferentes pistas e condições climáticas. Dificilmente, as estratégias das equipes deixarão de contemplar as sutilezas que caracterizam cada um desses tipos.

É preciso ressaltar que, somente a partir da década de 50, as melhorias técnicas começaram a se traduzir em desempenho. Isso se deve às pesquisas com borracha e ao alargamento da banda de rodagem dos pneus, que ampliou a área de contato destes com o solo. Nos anos 70, surgiram os pneus slick, de banda lisa, e na década seguinte vieram os de tecnologia radial, mais flexíveis e com melhor tração que os diagonais utilizados até então. As idas e vindas do regulamento da Fórmula 1 fizeram com que, há exatos vinte anos, os sulcos nos pneus se tornassem obrigatórios.

Tecnologia aplicada em nosso dia a dia

Obviamente, ao dirigir um carro de passeio, não temos condições de trocar de pneus assim que as primeiras nuvens negras despontam no céu. Por isso, os sulcos são tão importantes: eles evitam a aquaplanagem, ou seja, a perda de controle do automóvel causada pela formação de uma lâmina d’água sobre o asfalto.

(É importante ressaltar que essa inovação também está presente em nossos calçados, colaborando para que possamos nos manter de pé quando o chão está escorregadio!)

Além disso, os pneus dos carros de passeio se beneficiam diretamente da evolução dos materiais utilizados na Fórmula 1, uma vez que se tornam cada vez mais resistentes e adquirem maior vida útil.

O que vem pela frente?

Nos próximos artigos, você poderá saber mais a respeito dos benefícios que tecnologias como câmbio-borboleta, sistemas de recuperação de energia e outras inovações trouxeram para o nosso cotidiano.