Lugar de mulher: conheça Marcia Novaes, gerente de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

Foto: Andre Ribeiro

Na nossa série em homenagem ao Dia da Mulher vamos conhecer as jornadas de quatro profissionais de áreas do conhecimento ligadas a STEM. A sigla inglesa traduz carreiras relacionadas a Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática, ainda marcadas pela predominância de profissionais homens.

Em um mundo em constante movimento, a história de Marcia Novaes chama atenção pela perseverança e a coragem: ela já passou por duas letras do STEM e segue firme, acreditando que a tecnologia da informação é parte fundamental da construção de um futuro melhor. Conheça mais sobre a jornada da Marcia:

“Meu avô era matemático. Meus pais não têm curso superior, mas sempre incentivaram a mim e minhas irmãs a estudar. Antes do vestibular fiz uma orientação vocacional. Nos resultados, só deu exatas. E resolvi, então, prestar vestibular para Informática e também para Engenharia de Telecomunicações. Passei nos dois. Isso era em 1997 e diante do boom do setor de telecomunicações na época, optei por seguir nessa área.”
“Quando resolvi fazer o concurso para a Petrobras, o único cargo disponível para a minha formação era… analista de sistemas. Então toda a minha vida profissional aqui acabou sendo na área de Tecnologia da Informação, antiga Informática. Na minha trajetória pude experimentar duas letras do STEM!”
Foto: Andre Ribeiro

Em 15 anos de Petrobras, Marcia passou por diversas áreas de TI. De processamento de dados e servidores, passando pela coordenação de grandes projetos e gerenciamento do atendimento ao usuário.

“É muito difícil ser mulher num ambiente profissional predominantemente masculino. Você sobe na carreira sempre em meio a uma desconfiança sobre a nossa capacidade. No entanto, acredito que a Petrobras está preocupada com a questão da equidade, estamos tendo cada vez mais oportunidades e reconhecimento. Mas vivemos numa sociedade machista e as coisas, em geral, não mudam de uma hora pra outra.”
“Acho que o mundo está mudando. O que eu posso dizer para as meninas que têm interesse nas carreiras STEM é que corram atrás.”