Pier: Por que o valor de um seminovo?

Entenda como a assimetria incentiva fraudes por ocasião

Photo by Raúl Nájera on Unsplash

1. Custos de fraudes

No setor de seguros fraudes são constantes e um grande problema. Segundo a Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais — CNSeg, R$ 3,35 bilhões foram considerados sinistros suspeitos em 2016, isso representa 11,8% do valor total de todos os sinistros pagos.

Só para ter uma ideia, esse valor é praticamente 3 vezes o orçamento da Infraero e seria possível construir 55.833 casas populares!

Existem quadrilhas formadas para fraudar seguradoras, profissionais que se especializam em buscar brechas nas condições gerais e agem de forma premeditada para obter indenizações ilícitas. Também existem as fraudes chamadas de ocasião, nas quais usuários comuns tendem a agir de má fé aproveitando alguma “oportunidade” gerada pela situação.

Segundo especialistas do setor, as fraudes de ocasião são as mais frequentes. São pessoas que contratam um seguro sem o intuito de fraudar, mas que maquiaram algum detalhe da ocorrência ou se aproveitaram da seguradora para receber o valor máximo de uma indenização.

2. Assimetria de preços e o incentivo à fraude de ocasião

Segundo o dicionário, a assimetria é definida como uma grande diferença, disparidade, ou discrepância. A assimetria de preço acontece quando o mesmo bem é comercializado por valores distintos.

Por exemplo, uma assimetria aconteceria em determinado período se um automóvel pudesse ser comprado por R$ 20.000 em São Paulo e revendido por R$ 23.000 no Rio de Janeiro. Essas assimetrias geram oportunidades de obtenção de lucros sejam em moedas, commodities ou quaisquer outros produtos.

Considerando o contexto de um seguro, caso o valor do bem segurado seja diferente da sua indenização, também constitui-se uma assimetria. Seria o exemplo de uma loja que vale R$ 50.000, mas o seguro contra incêndio irá indenizá-la em R$ 150.000. O segurado poderia lucrar R$ 100.000 “simplesmente” ateando fogo na loja.

As assimetrias nos seguros também geram “oportunidades”, mas acompanham conflitos éticos para a realização dos lucros. A economia comportamental tem se empenhado em estudar essas situações nas quais indivíduos que buscam agir eticamente incidem em práticas antiéticas.

Essas situações ocorrem quando o custo de cometê-las (tanto a possível punição quanto o desconforto social) é percebido como muito inferior aos benefícios esperados. Assim, quanto maior o nível de assimetria, maior terá que ser o autocontrole individual para se manter ético.

Para bens que possuem depreciação essa disparidade aumenta com o passar do tempo e por isso utiliza-se uma referência para diminuir a assimetria entre a indenização e o valor do bem real. Alguns produtos apresentam uma tabela de depreciação e outros utilizam fontes externas, como a tabela FIPE no caso dos automóveis.

Nos casos de bens que possuem uma depreciação rápida essa assimetria cresce exponencialmente. Segundo a Porto Seguros, a desvalorização de um celular chega a 40% no primeiro ano de uso.

Considerando que a depreciação diminui nos anos seguintes, utilizamos uma média de 30% de depreciação anual. Evolução da assimetria em 5 anos:

Indenizando o nosso usuário com o valor do celular novo, quanto mais tempo o cliente estiver protegendo o celular, maior será o incentivo à fraude por ocasião. O autocontrole individual de cada usuário para se manter ético é diferente e alguns irão realizar a fraude depois de 2 anos, outros conseguirão suportar uma assimetria de 4 anos, mas em todos os casos os usuários com maiores padrões éticos pagarão sozinhos todos os custos das fraudes.

O nosso sentimento de comunidade não permite prejudicar exatamente os usuários éticos e utilizar recursos compartilhados para indenizar um único usuário com valores superiores ao seu bem protegido. Por isso utilizamos essa tabela com os valores dos aparelhos seminovos para reembolsar nossos clientes.

Também é importante lembrar que quando os valores de reembolso forem alterados as mensalidades serão reduzidas.

3. Entendi, mas a seguradora me dá um celular novo!

Na teoria sim, na prática gostaríamos de fazer um comparativo mais claro com as seguradoras. Nossos termos são claros e possuem 1 página, você pode vê-lo aqui. No caso das seguradoras não é incomum um termo que passe de 10 páginas e outros que cheguem a 30 páginas.

São muitas cláusulas e letras miúdas, mas nós tivemos o trabalho de lê-los e fizemos um comparativo justo com um seguro vendido em uma telefonia e um seguro vendido no varejo.

iPhone 7 Apple 32GB Prateado
Valor do aparelho novo: R$ 2.699,10 (Magazine Luiza aqui)

Consultas realizadas no dia 24/01/2018

Com essa tabela acreditamos que você pode comparar as opções e decidir a melhor escolha para você!

Importante:

Estamos desenhando a proposta da Pier do zero, poderíamos escolher pagar o item novo e reajustar os preços para isso. A vantagem de reinventar a indústria é exatamente questionar esses paradigmas para entregar um produto que faça mais sentido para os usuários.

Além disso, o nosso modelo não aumenta a remuneração da Pier com o pagamento (ou não) dos reembolsos. Somos um gestor da rede que recebe um valor fixo de 20% das mensalidades.

Iniciamos em janeiro somente com convites para uma rede confiável. Quer contribuir? Compartilhe o conceito, viva a mudança e nos acompanhe nos próximos passos.

Pier. Reinventar confiança, juntos.

Bem-vindos!