Foto por Daniel von Appen em Unsplash

Atrapalhos

Lucas é uma criança especial, e isso não vem de um diagnóstico médico. Hoje, na escola, ele veio até mim e, já com as frases prontas, segurou meu pingente de coração:

— Ela não pode falar comigo, disse que não pode, está ocupada. Eu atrapalho?

— Ah, Lucas, acho que todo mundo atrapalha um pouco. Se ela está ocupada, espera. Logo ela termina o que está fazendo e você tenta conversar de novo.

— Mas quem atrapalha? Criança ou adulto?

— Os dois… eu acho.

E ele bateu em retirada rumo às escadas. Mas não demorou para cruzarmos novamente.

— Eu atrapalho? Estou bravo, ela está ocupada, disse que tinha que fazer uma entrevista. Homem grande atrapalha? Nunca vi homem grande atrapalhar.

Parafraseei o que ele disse enquanto lembrava das vezes em que vi homens grandes atrapalhando.

— Atrapalham sim.

Silêncio.

— Por que eu não posso ir para o mundo? Conhecer lá fora?

Mal sabia ele que agora, sem pingente, ele segurava meu coração. E antes que pudesse me recompor, já havia sumido — gozada essa mania de terminar as conversas em suspensão.

Taí, não sei Lucas. Mas parte dos meus caminhos será trilhada nessa busca. Por mim e por você.

(Será que o mundo está mesmo sempre lá fora?)